LANCE!
15/12/2016
16:08
São Paulo (SP)

A demissão do técnico Oswaldo de Oliveira já em meio ao planejamento para a temporada de 2017 não atrapalha a busca do Corinthians por reforços, segundo o presidente Roberto de Andrade. Para o mandatário, que anunciou o fim do trabalho de apenas dois meses do técnico nesta quinta-feira, as negociações seguem em andamento independentemente do novo comandante que for escolhido. 

- Atrapalhar a montagem, não. Temos comissão técnica e as negociações continuam andando. Independentemente do treinador, sabemos das posições que temos carência. Os jogadores que estamos vendo e obtendo sucesso nas negociações são importantes para o clube e ajudarão bastante. Todos os nome seguem de pé, e de repente essa lista ganhará algum nome - disse Roberto de Andrade, admitindo a possibilidade de indicação de reforços por parte do treinador que vier a ser o substituto de Oswaldo.

As prioridades do Corinthians na montagem do elenco para 2017 são zagueiros, volantes, meias e atacantes. Até o momento, apenas Luidy e Jô foram contratados para o setor ofensivo, mas ambos antes da chegada de Oswaldo. Durante sua curta passagem, o treinador indicou nomes e aprovou a busca por outros, como Rithely, que comandou no Sport, e Alan Santos, que comandou no Santos. Além disso, Oswaldo também atuou em outros setores da montagem do elenco, como a análise de quem estava emprestado a outros clubes e dos garotos promovidos das categorias de base.


Alguns dos nomes discutidos pelo Corinthians para 2017 são Luan (Vasco), Rithely (Sport), Renê Júnior (Ponte Preta), Alan Santos (Coritiba), Wagner (Tianjin Teda-CHN) e Sassá (Botafogo). Nenhum deles, entretanto, já está certo com o clube. Sobre Rithely, apesar do gerente de futebol Alessandro ter admitido negociações com o Sport, Roberto de Andrade negou ter aberto conversas. O mandatário também falou sobre Wagner, em negociação que vive compasso de espera.

- De nossa parte está tudo ok, com exames médicos, o que falta é a liberação do clube chinês, para que ele assine conosco. Se ele resolver, será anunciado. Caso contrário, não tem como - explicou.