Bruno Cassucci
26/10/2016
07:00
São Paulo (SP)

Walter não é de revelar seus segredos. O jeito caipira e a timidez deixam o goleiro com um ar desconfiado nas entrevistas. Assim, foi quase sem querer que ao final da conversa com a reportagem do LANCE!, no CT Joaquim Grava, o novo titular da meta do Corinthians soltou um dos trunfos para o seu bom momento. Ele cortou as “besteiras” da alimentação, passou a comer melhor, perdeu 7kg de gordura e ganhou 3,5kg de músculos.

O trabalho com um nutrólogo particular realizado há sete meses o deixou não só mais forte e magro, como lhe deu disposição para treinar e jogar. Porém, também cobra seu preço... e caro! Walter lidou bem com a ausência de pão na dieta, aceitou trocar o arroz branco pelo integral e entendeu que a cerveja o prejudicaria mesmo nas folgas. Mas tem algo com o que não é fácil de lidar...

– O pudim da tia aqui do CT é brincadeira. Sinto falta! Às vezes pode sair da linha uma vez por semana, normalmente dá vontade de doce. Mas se comer chocolate, por exemplo, ele (nutrólogo) me mata – contou o camisa 27, bem-humorado.

"Quando eu estava no banco, também tentava ajudar o Cássio. Agora, ele faz o mesmo e me passa tudo: posicionamento, como falar com o time..."

O aspecto físico é importante, mas para ganhar a vaga de Cássio ele precisou de muito mais. Bancado pelo técnico Oswaldo de Oliveira, Walter vive aos 28 anos uma das melhores fases da carreira e passou a ser um dos xodós da Fiel neste ano.

E para isso ele contou até mesmo com dicas do principal concorrente e seu maior amigo no elenco:

– Quando eu estava no banco, também tentava ajudar o Cássio. Agora, ele faz o mesmo e me passa tudo: posicionamento, como falar com o time, dar uma orientação...

Com a titularidade garantida, o goleiro sonha agora com voos mais altos. Ele diz ter muito trabalho pela frente, mas mostrou ter na ponta da língua o que espera do futuro:

– Claro que títulos! Tenho alguns, mas quero títulos jogando!

Dida e goleiro da seleção inglesa são inspirações

Messi, Neymar, Cristiano Ronaldo... Jogadores de linha costumam apontar sempre os mesmos jogadores (os melhores do mundo) como inspirações no futebol. Mas e no gol? Quando indagado, Walter pensou, pensou, disse não ter um nome... mas escolheu Joe Hart como uma referência.

Titular da seleção inglesa, o arqueiro de 29 anos perdeu espaço no Manchester City (ING) com a chegada do técnico Pep Guardiola e se transferiu para o Torino (ITA) no meio do ano.

No início da carreira, porém, Walter se espelhava em um ídolo da Fiel torcida... mas também num algoz do Corinthians.

– Teve o Dida, que estava em uma fase fenomenal, pegando pênalti atrás de pênalti, e até o Marcos. Foram os dois que mais marcam na minha memória – contou Walter.

Mesmo nas folgas o goleiro corintiano gosta de assistir futebol, não só como forma de se aperfeiçoar, mas também como divertimento. E sem distinção de país ou nível técnico:

– Eu assisto muito futebol, tudo. Série B, Série C, o que passa na TV eu vejo. Sento com minha filha no sofá e fico vendo nas folgas – destacou.

"A motivação do Oswaldo é muito grande, é um cara que já esteve aqui no clube, ganhou títulos importantes, isso nos faz querer mais"

Desempenho, sim. Marcas, não
Walter completou 50 partidas pelo Corinthians no último domingo, mas se não fosse avisado por seu assessor pessoal não saberia. O goleiro diz não ligar para números ou marcas da carreira. Porém, ele acompanha de perto seu desempenho, principalmente o número de gols sofridos. O goleiro já levou 42 tentos, média de 0,84 por jogo.

– Para mim significa muito chegar a 50 jogos no Corinthians, fiquei feliz, espero que venha mais e mais. Acompanho minhas estatísticas e não quero atingir a média de um gol por um. Por enquanto, ainda está bom.

Walter e Cássio
'A gente tem conversas normais, de dia a dia' (Foto: Daniel Augusto Jr)

BATE-BOLA WALTER GOLEIRO DO CORINTHIANS, AO LANCE!

‘A motivação do Oswaldo é muito grande, nos faz querer mais’

Muda algo para você ser bancado como titular por Oswaldo?
A confiança que o treinador dá é importante, mas isso é para todos, não só para mim. Se eu for mal nos jogos, vou ser sacado da mesma forma. Tenho que pensar em ajudar o time a todo momento. O Cássio está aí, querendo o espaço dele, e sempre fez o melhor para o Corinthians.

Como foi a conversa entre vocês? O que o treinador disse?
A gente não teve uma conversa com o Oswaldo, eu vinha jogando, e ele manteve. Não teve uma conversa como foi com o Tite e o Cristóvão.

E com o Cássio, você falou?
A gente procura trabalhar da mesma forma, é claro que tem as conversas normais do dia a dia, mas quem cria esse debate é mais a mídia, a gente escuta de fora, mas aqui é normal.

Há espaço para os dois em 2017 ou talvez um tenha que sair?
Acho que tem, sim. Ainda mais o Corinthians do jeito que é, podendo disputar Libertadores, Copa do Brasil, Brasileiro... O ideal é ter dois por posição, como em 2015, quando tinham dois de alto nível em cada.

Mas no gol há menos trocas...
É verdade, mas temos contratos longos, isso dá uma garantia grande.

E se houvesse um rodízio?
Não sei... Acho que no Brasil isso não daria certo pela cultura que temos.

Como está sendo o início de trabalho com o Oswaldo de Oliveira?
Ele conversa bastante, mostra muito vídeo, tem vez que não dá tempo de treinar, então tem vai na conversa. A motivação dele é muito grande, é um cara que já esteve aqui, ganhou títulos importantes, isso nos faz querer mais.