Bruno Cassucci
09/03/2016
21:26
São Paulo (SP)

Um fantasma voltou a atormentar o Corinthians na noite desta quarta-feira. Poderia ser o Estádio Defensores del Chaco, palco da derrota para o Guarani (PAR) na Libertadores do ano passado, mas o local foi apenas uma coincidência. O verdadeiro problema, determinante para o revés por 3 a 2 para o Cerro Porteño (PAR), foi a falta de equilíbrio e inteligência, que resultou na expulsão de dois jogadores, assim como já havia acontecido contra Once Caldas (COL), São Paulo e Guarani na edição passada do torneio. Clique aqui e veja como foi a partida lance a lance.

André e Rodriguinho receberam cartão vermelho no segundo tempo do duelo em Assunção, dando uma contribuição enorme para os paraguaios virarem a partida, que foi bem controlada pelo Timão na etapa inicial. A derrota fez o Timão perder a liderança do Grupo 8 justamente para o Cerro, novo líder, com sete pontos - os paulistas ficaram com seis. Veja a classificação.


O camisa 9 foi personagem central do jogo. Faltou a André não apenas cabeça no lugar para evitar os dois cartões justos e desnecessários, mas também pontaria e um pouco de sorte. O centroavante fez gol que abriu o placar, aproveitando rebote do goleiro Antony Silva, mas desperdiçou depois duas ótimas oportunidades de liquidar o confronto, chutando uma bola na trave aos 23 e perdendo um gol cara a cara aos 44.

Quando o Cerro empatou aos 3 minutos do segundo tempo, em cabeceio de Beltrán, contando com os vacilos de Uendel e Felipe, o Timão ainda tinha 11 em campo.

Porém, mesmo em casa, ainda faltava força aos paraguaios para virarem o placar. André e Rodriguinho trataram de "ajudar". E poderia ter sido até pior, caso o árbitro expulsasse Guilherme após falta dura por trás.

As linhas de marcação alvinegras, que já não estavam tão ajustadas quanto Tite gostaria, se espaçaram por completo e o Timão não conseguiu mais reter a bola. O gol era só questão de tempo. E veio em dose dupla, com Días, aos 28, e Beltrán novamente, aos 35.

Ciente de que o empate era quase impossível, Tite colocou Balbuena em campo e passou a se preocupar com o saldo. E teve ao menos um alento. De pênalti, Giovanni Augusto diminuiu o placar no fim da partida. Insuficiente para evitar a primeira derrota na Libertadores.

FICHA TÉCNICA
CERRO PORTEÑO (PAR) 3 X 2 CORINTHIANS

Local: Defensores del Chaco, em Assunção (PAR)
Data-Hora: 9/3/2016 - 19h30 (horário de Brasília)
Árbitro: Diego Haro
Auxiliares: Braulio Cornejo e Coty Carrera
Público-Renda: Não divulgados
Cartões amarelos: Rodrigo Rojas (CER), André, Lucca, Guilherme e Rodriguinho (COR)
Cartões vermelhos: André e Rodriguinho (COR)
Gols: André 12' 1ºT (0-1), Beltrán 3' 2ºT (1-1), Díaz 30' 2ºT (2-1), Beltrán 37' 2ºT (3-1), Giovanni Augusto (pênalti) 42' 2ºT (3-2)

CERRO PORTEÑO: Anthony Silva, Carlos Bonet, Víctor Mareco, Bruno Valdez e Júnior Alonso (Estigarribia 23' 2ºT); Fidencio Oviedo, Jorge Rojas e Rodrigo Rojas (Silvio Torales 32' 2ºT); Sergio Díaz, Luís Leal e Guillermo Beltrán (Ortigoza 40' 2ºT). Técnico: César Farias

CORINTHIANS: Cássio, Fagner, Felipe, Yago e Uendel; Bruno Henrique; Giovanni Augusto, Rodriguinho, Guilherme (Romero 15' 2ºT) e Lucca (Balbuena 33' 2ºT); André. Técnico: Tite