Corinthians x Cerro Porteño

Atacante chegou a três gols em jogos oficiais nesta temporada: é o artilheiro! (Foto: Ari Ferreira/Lancepress!)

Gabriel Carneiro
17/03/2016
00:53
São Paulo (SP)

Em negociações avançadas para acertar a compra de parte dos direitos econômicos do atacante Lucca, o Corinthians espera resolver a situação dentro de "alguns dias", segundo o presidente do clube, Roberto de Andrade. O autor do primeiro gol, presente também na jogada do segundo gol do Timão nesta quarta-feira, diante do Cerro Porteño (PAR), pela Libertadores, está vinculado ao Corinthians somente até o dia 31 de maio, por empréstimo do Criciúma. Enquanto tenta acertar os detalhes da renovação, o mandatário alvinegro confia no sucesso das conversas.

- O Corinthians tem um interesse grande que o Lucca fique conosco, e já comecei a conversar. Espero que em mais alguns dias, uma semana, ou um pouquinho mais, a gente já defina a permanência dele no Corinthians. Você vem construindo essa decisão desde o momento em que ele chegou, e a comissão técnica fez essa avaliação melhor no Campeonato Paulista do que só no Brasileirão. Então a gente resolveu que quer ele fique - argumentou Roberto de Andrade na saída da Arena Corinthians após a vitória por 2 a 0 .

- Estamos negociando e conversando para que as coisas fiquem melhores. Porque é assim: você pede uma coisa, daí avaliam e isso é uma negociação. Estou muito confiante pelo fato de o Corinthians querer, já é um passo e meio para que dê certo - completou o presidente do Timão.

Contratado em setembro de 2015, Lucca tem vínculo só até 31 de maio deste ano, e a negociação pela compra dos direitos não é simples. O Criciúma detém 65% dos direitos econômicos enquanto o Cruzeiro é dono dos outros 35%. No início da negociação, os dois clubes combinaram de vender 100% por R$ 9 milhões ao Corinthians, que afirmou não dispor deste recurso. Assim, a negociação tomou outro rumo nesta semana.

O Corinthians já tem praticamente certo um acordo para comprar 50% dos direitos de Lucca junto ao Criciúma por cerca de R$ 4 milhões. Assim, o clube catarinense seguiria detendo 15% em futuras negociações. Agora é com a Raposa que o Timão precisa se acertar - alternativas estudadas são a manutenção dos 35% da Raposa para acordos futuros ou alguma modalidade de negócio que envolva cessão de jogadores ou pagamento