Gabriel Carneiro
19/08/2016
07:00
São Paulo (SP)

Cristóvão Borges começou sua passagem pelo Corinthians com Luciano como centroavante titular, mas testou Danilo e Lucca improvisados e logo decidiu apostar em André para a função. Após 11 jogos e somente três gols marcados por jogadores deste quarteto, ele estuda lançar uma nova cartada no confronto da próxima segunda-feira, contra o Vitória: Guilherme, atuando como “falso 9” - um centroavante com mais mobilidade.

Há poucas semanas, o treinador não cogitava utilizar Guilherme fora da armação de jogadas, que considera sua especialidade, mas as circunstâncias o levaram à decisão. Ontem, esta foi a principal mudança realizada durante um treino fechado em que começou a esboçar a escalação do próximo jogo. Fora do time titular após a chegada de Cristóvão, Guilherme deve ser confirmado de volta nos treinos da sequência da semana e assim “herdar” a responsabilidade de marcar os gols do Corinthians.

A função que o meia deverá atuar diante do Vitória é semelhante ao que ele desempenhava no início da carreira, pelo Cruzeiro. Não à toa, desde as edições de 2007 e 2008 do Campeonato Brasileiro, quando marcou dez e 18 gols, respectivamente, as médias ofensivas do jogador não são tão altas.

No Atlético-MG, clube que defendeu por cinco temporadas, foram apenas nove gols no Brasileirão, atuando na maioria das vezes como meia. Também nesta função, ele soma dois em 2016, já no Corinthians.

– Vejo o Guilherme colocado quando estivermos um pouco mais prontos, porque o jogo dele é inteligente, cerebral, muito importante. Ele dará alternativas – disse Cristóvão há duas semanas, prenunciando a entrada do jogador que estava “abrindo espaço para logo ocupar”.

Com Guilherme provavelmente titular, o Corinthians tentará encerrar um jejum de três partidas sem vitória no Brasileirão e, assim, voltar ao G4 – condição perdida na última rodada após dois meses. Se André e Luciano não convenceram, o 10 terá a chance de bancar o 9 para isso.

OUTROS CLUBES

Cruzeiro - Entre 2007 e 2008, viveu parte dos melhores momentos de sua carreira, com 36 gols marcados em 84 jogos. Ainda conquistou dois títulos onde foi revelado.

Dínamo de Kiev  - Clube ucraniano comprou o atacante por 5 milhões de euros (R$ 21 milhões na época), mais o repasse de Kleber. Foram só 18 partidas e dez gols marcados.

CSKA  - Russos pagaram 1 milhão de euros pelo empréstimo, mas o brasileiro jogou apenas 19 vezes, com oito gols marcados. Não teve vida longa na Europa.

Atlético-MG - Comprado por R$ 17 milhões, ficou no clube de 2011 a 2015. Foram 146 jogos, 27 gols e seis títulos ao todo – entre eles, a Copa Libertadores de 2013.

Antalyaspor - No futebol da Turquia, ficou apenas entre agosto de 2015 e janeiro de 2016. Passagem curta, de apenas 13 jogos e duas bolas colocadas na rede.

Corinthians - Comprado por R$ 5,7 milhões, já entrou em campo 34 vezes e anotou quatro gols pelo novo clube. Ele tem contrato válido até o final de 2019.