Rildo

Rildo tem apenas 14 jogos em um ano e meio de clube. Neste domingo, o primeiro gol (Foto: Reprodução/L!TV)

Gabriel Carneiro
04/07/2016
07:30
São Paulo (SP)

A escalação ideal do Corinthians, a princípio, não passa pelos nomes de Pedro Henrique e Rildo. O primeiro é um garoto revelado nas categorias de base do clube e que até junho deste ano jamais havia atuado profissionalmente. Já o segundo é um atacante que já foi contestado e ficou praticamente dez meses fora de ação em razão de uma sequência de lesões e azares que atrapalharam sua trajetória no Timão. Neste domingo, porém, os dois jogadores vivenciaram histórias de reabilitação e superação. 

Pedro Henrique estreou como jogador profissional com a camisa do Corinthians no dia 4 de junho, em partida contra o Coritiba. Depois, em razão de uma série de desfalques a que o Corinthians foi imposto, atuou contra o Botafogo e voltou a jogar diante do Atlético-MG. Neste compromisso, porém, o camisa 34 falhou feio e entregou um dos gols da vitória do time da casa no Mineirão. Consolado pelos companheiros, seguiu no time contra Santa Cruz, América-MG e agora Flamengo, partida em que teve atuação impecável e deu firmes mostras de personalidade.

Ao longo do jogo, o peruano Guerrero fez de tudo para desestabilizar Pedro Henrique, chegando até mesmo ao ponto de golpear o zagueiro do Corinthians em lance sem bola. Pedro, 20 anos, 12 de vida a menos que Guerrero, não se abalou com as provocações e agressões e segurou a bronca nos 4 a 0 aplicados pelo Timão sobre o Flamengo. Idade não é documento.

- O Guerrero veio me intimidar, mas não é assim. Tenho 20 anos, mas não vou afinar. Estou aqui hoje porque construí isso ao longo da minha vida, inclusive no jogo contra o Atlético-MG, que era meu terceiro como profissional. Até ali eu não tinha errado ainda, mas infelizmente acabei errando. Só que eu tive a confiança do grupo, da minha família e do professor Cristóvão para continuar meu trabalho - desabafou Pedro Henrique, que seguiu no time titular mesmo após a recuperação do experiente Vilson, hoje seu reserva.

Rildo, por sua vez, é um pouco mais experiente que Pedro Henrique. Mas mesmo aos 27 anos ele passou por uma profunda provação nos últimos meses, já que não atua profissionalmente desde 13 de setembro de 2015. Nestes quase dez meses, o camisa 19 do Corinthians superou três lesões e uma sequência de azares que fizeram até mesmo sua entrada em campo ser "impedida" pela contusão de Camacho na partida contra o América-MG.

Neste domingo, porém, a história foi diferente. Acionado por Cristóvão Borges aos 31 minutos do segundo tempo, Rildo substituiu Giovanni Augusto e marcou um dos gols da goleada deste domingo em seu terceiro minuto em campo. Uma história de redenção pouco vista, e muito comemorada.

- Esse gol foi maravilhoso. Eu ainda não estou acreditando, meu primeiro gol no Corinthians, espero que seja o primeiro de muitos. Só Deus sabe o que eu passei, mas independente de ter feito o gol, o importante foi ter voltado depois de quase um ano - disse Rildo, satisfeito da vida.


Feliz com o bom rendimento de suas apostas, o técnico Cristóvão Borges disse que foi "um prazer" ver Rildo fazendo gol, e ainda disse que a atuação de Pedro Henrique foi "sensacional".