LANCE!
11/09/2016
08:00
São Paulo (SP)

Cristóvão Borges dirigiu o Corinthians em 15 partidas até o momento, sendo oito na condição de visitante. Nestes compromissos fora de casa ele obteve três vitórias (América-MG, Chapecoense e Internacional), um empate (1 a 1 com o Fluminense, pela abertura das oitavas de final da Copa do Brasil) e quatro derrotas (Atlético-MG, Atlético-PR, Grêmio e Ponte Preta). Neste domingo, às 16h, contra o Santos, o treinador planeja equilibrar os números com mais uma vitória. E de quebra vencer seu primeiro clássico em menos de três meses no comando do novo clube.

Contratado para o lugar de Tite, que trocou o Timão pela Seleção Brasileira, Cristóvão dirigiu apenas um jogo com grande rivalidade até o momento, no dia 17 de julho, pela 15ª rodada do Campeonato Brasileiro. Na ocasião, o peruano Cueva abriu o placar para o São Paulo aos 15 minutos do primeiro tempo, mas o volante Bruno Henrique empatou para o Timão apenas seis minutos depois. O empate em 1 a 1 na Arena Corinthians gerou uma das primeiras críticas da torcida ao trabalho do treinador, que iniciou com Danilo improvisado como centroavante e sacou Marquinhos Gabriel para a entrada de Rildo.

Além da necessidade de melhorar os números do Corinthians como visitante para manter a equipe na briga pelas primeiras posições do Brasileirão, Cristóvão trabalha para melhorar seu aproveitamento pessoal em clássicos. Até hoje, por Vasco, Bahia, Fluminense, Flamengo e Atlético-PR, foram 26 confrontos com alta rivalidade, sendo dez vitórias, quatro empates e 12 derrotas, representando um aproveitamento de 43,6%. A última vitória em clássicos, por sinal, ocorreu há mais de dois anos, em 11 de maio de 2014, quando seu Fluminense venceu o Flamengo por 2 a 0.

Para superar as marcas negativas, Cristóvão se apega ao bom momento no Corinthians. Questionado, o treinador conseguiu dois bons resultados em sequência: empate com gols fora de casa em confronto eliminatório da Copa do Brasil e uma goleada no Brasileirão. O próximo desafio é o Santos, e o treinador vê sua equipe preparada para o desafio.

- O Santos é difícil de ser batido em casa, adversário fortíssimo, e estamos preparados para grandes dificuldades.