icons.title signature.placeholder Bruno Andrade e Felipe Bolguese
icons.title signature.placeholder Bruno Andrade e Felipe Bolguese
26/08/2015
12:00

O Corinthians negocia com a Hyundai, empresa sul-coreana de automóveis, os naming rights da Arena Corinthians. O ex-presidente Andrés Sanchez, atual superintendente de futebol, e o diretor de marketing, Marcelo Passos, recentemente apresentaram um novo modelo de concessão do nome do estádio de Itaquera a alguns interessados. O grupo internacional já abriu negociações, apesar de mais duas empresas estarem na briga.

Nas conversas, o Timão ainda insiste receber R$ 400 milhões por 20 anos de contrato, período que a Hyundai, inicialmente, gostaria de reduzir - além dos valores. Em uma das reuniões, também foi discutida a possibilidade de a empresa sul-coreana ser patrocinadora principal do uniforme corintiano. O acordo atual com a Caixa Econômica Federal, que rende R$ 30 milhões anuais para a ocupação do peito da camisa, encerra-se no fim deste ano.

Por diversas vezes, Andrés Sanchez chegou a afirmar que os naming rights estavam próximos de sair. No entanto, os acordos antigos esbarraram em valores, comissões e formas de pagamentos. O ex-presidente admitiu que a situação está atrasada e já deveria ter saído antes mesmo da Copa do Mundo do ano passado.

Na última quinta-feira, em entrevista ao LANCE!, o atual mandatário, Roberto de Andrade, afirmou que a decisão está na mão das empresas, confirmando que o clube já apresentou um modelo de proposta a interessados.

- Está caminhando (o naming rights). A decisão não está nas minhas mãos, está nas mãos das empresas que estamos negociando - afirmou Andrade, sem confirmar os valores pedidos.

- Não gosto de falar de valores porque cada negócio é um negócio. O que serve para um, não serve para outro. Cada negócio tem um formato - explicou. 

O Corinthians negocia com a Hyundai, empresa sul-coreana de automóveis, os naming rights da Arena Corinthians. O ex-presidente Andrés Sanchez, atual superintendente de futebol, e o diretor de marketing, Marcelo Passos, recentemente apresentaram um novo modelo de concessão do nome do estádio de Itaquera a alguns interessados. O grupo internacional já abriu negociações, apesar de mais duas empresas estarem na briga.

Nas conversas, o Timão ainda insiste receber R$ 400 milhões por 20 anos de contrato, período que a Hyundai, inicialmente, gostaria de reduzir - além dos valores. Em uma das reuniões, também foi discutida a possibilidade de a empresa sul-coreana ser patrocinadora principal do uniforme corintiano. O acordo atual com a Caixa Econômica Federal, que rende R$ 30 milhões anuais para a ocupação do peito da camisa, encerra-se no fim deste ano.

Por diversas vezes, Andrés Sanchez chegou a afirmar que os naming rights estavam próximos de sair. No entanto, os acordos antigos esbarraram em valores, comissões e formas de pagamentos. O ex-presidente admitiu que a situação está atrasada e já deveria ter saído antes mesmo da Copa do Mundo do ano passado.

Na última quinta-feira, em entrevista ao LANCE!, o atual mandatário, Roberto de Andrade, afirmou que a decisão está na mão das empresas, confirmando que o clube já apresentou um modelo de proposta a interessados.

- Está caminhando (o naming rights). A decisão não está nas minhas mãos, está nas mãos das empresas que estamos negociando - afirmou Andrade, sem confirmar os valores pedidos.

- Não gosto de falar de valores porque cada negócio é um negócio. O que serve para um, não serve para outro. Cada negócio tem um formato - explicou.