Treino Corinthians - Edilson e Guilherme Arana (foto:Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians)

Edilson e Guilherme Arana continuarão na equipe titular (foto:Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians)

Bruno Cassucci e Lucas Faraldo
18/11/2015
08:00
São Paulo (SP)

Merecimento. A palavra tão adorada e usada pelo técnico Tite volta a aparecer no Corinthians antes do possível jogo do título brasileiro, contra o Vasco, nesta quinta-feira, em São Januário. É baseado nos méritos de cada jogador, filosofia apregoada desde a primeira passagem do treinador pelo Timão, que os laterais Edilson e Guilherme Arana serão mantidos como titulares na partida da 35ª rodada.

A dupla passou a maior parte da campanha no banco de reservas, mas ganhou chance no fim de setembro, com as lesões de Fagner e Uendel. Apesar de alguns vacilos, eles deram conta do recado, foram crescendo aos poucos de produção e se mantiveram invictos neste período. Desde a última semana, porém, a dupla titular está recuperada e fazendo sombra a eles, mas Tite decidiu que não mudará a equipe.

O episódio evidencia ainda mais os métodos de trabalho do comandante alvinegro, que já havia adotado postura parecida em outros momentos deste Brasileirão, como quando sacou Ralf para a entrada de Cristian e Bruno Henrique e quando colocou Luciano no lugar de Vagner Love (veja mais detalhes abaixo).

– O elenco do Corinthians é um dos melhores do Brasil. Para cada posição tem, no mínimo, dois jogadores de alto nível. Mas sem dúvida nenhuma não adianta ter só jogadores de alto nível e não ter um comandante para poder nos orientar e nos levar onde estamos agora, muito perto de um título brasileiro – afirmou Edilson, em entrevista à Rádio Brasil.

Fagner e Uendel fizeram de tudo para estarem aptos para jogar essa partida e acreditavam que poderiam estar em campo na reta final da competição. Embora um pouco frustrados, eles não estão surpresos ou desapontados. Quem trabalha com Tite, já está acostumado a ouvir a “palavra mágica” dele: merecimento.

QUANDO O MERECIMENTO PREVALECEU

Disputa de volantes
Ídolo da Fiel, o volante Ralf não fazia bom começo de Brasileirão e aparentava estar fora de forma. Na quinta rodada, ele perdeu a posição para Cristian, que logo na sequência se machucou. Bruno Henrique foi então escolhido para ocupar a posição e teve ótimo desempenho. Contudo, após grande sequência, ele se machucou e abriu espaço para Ralf retonar. O camisa 5 deu a volta por cima e foi tão bem que, mesmo com Bruno recuperado de lesão, ele não voltou para a reserva. Tite costuma citar esse caso como exemplo de sua filosofia de trabalho.

Homem-gol
Mesmo sendo mais badalado e experiente, Vagner Love perdeu a titularidade para Luciano quando vivia má fase e seca de gols. Antes, Romero já havia tido chances na vaga dele. A titularidade só foi retomada pelo hoje camisa 99 quando Luciano teve de operar o joelho.

Pelas beiradas
As pontas do ataque corintiano também testemunharam a teoria de “merecimento” do técnico Tite. Nem mesmo Emerson Sheik escapou, ao perder a posição para o colombiano Mendoza em alguns jogos do primeiro semestre. Mais recentemente, Malcom foi desbancado por Rildo, que vinha bem, mas recuperou a posição no mesmo jogo em que a perdeu por conta de uma lesão do veloz concorrente.

No passado
Desde sua primeira passagem pelo Corinthians, Tite fala muito que o merecimento dos atletas motiva as suas decisões. Edenilson, Romarinho, Cleber, Leandro Castán e Willian são alguns dos exemplos da passagem anterior do técnico corintiano desde 2010/2011.