Retrospecto do Corinthians nos últimos anos (Arte: Henrique Assale)

Jogos em preto e gols sofridos em cinza. Linha vermelha, quando foi a melhor defesa. Linha azul, segunda melhor defesa. E a amarela, terceira melhor (Infográfico: Henrique Assale)

Gabriel Carneiro, Guilherme Amaro e Rodrigo Vessoni
19/02/2016
07:55
São Paulo (SP)

Após o fatídico rebaixamento em 2007, o Corinthians se notabilizou por sofrer poucos gols. Os números são impactantes: de 2008 até 2015, o Timão disputou 27 campeonatos e teve a defesa menos vazada 14 vezes – em outras quatro competições, a segunda melhor.

Ter um sistema defensivo sólido virou praticamente uma filosofia dentro do clube, independentemente do treinador. Isso porque, tanto com Mano Menezes quanto com Tite, técnicos que tiveram duas passagens pelo Timão neste período, a equipe manteve o retrospecto. No meio deles ainda teve Adilson Batista, que não conseguiu manter os bons números e durou apenas três meses em 2010 à frente do time.

Além dos treinadores, os zagueiros também assimilam a filosofia rapidamente. Tanto que foram diversas duplas desde janeiro de 2008 (veja tabela abaixo). Nesta temporada, por exemplo, Yago assumiu a vaga que era de Gil e vem dando conta. Em 2016, embora tenha disputado apenas cinco partidas oficiais, o Corinthians caminha para brigar para ter a melhor defesa dos campeonatos. O Timão sofreu apenas um gol nesta temporada, na vitória por 2 a 1 sobre o Capivariano. Nos outros quatro jogos, três vitórias por 1 a 0, sobre XV de Piracicaba, Grêmio Osasco Audax e Cobresal-CHI, além dos 2 a 0 no clássico contra o São Paulo.

Dupla Felipe e Yago
Felipe e Yago formam a dupla de zaga atualmente (Daniel Augusto Jr)

No esquema 4-1-4-1 que vem desde o ano passado, Tite busca ter uma equipe compacta e que pressione o adversário ainda no campo ofensivo. Esse aspecto, na visão do técnico, é fundamental para o time sofrer poucos riscos durante a partida. Por isso, ele treina exaustivamente a pressão após a perda de bola e o posicionamento defensivo em bolas paradas.

Com esquemas, técnicos e jogadores diferentes, o que não mudou no Corinthians nos últimos oito anos foi a solidez defensiva. E pelo que o time já mostrou nesses primeiros jogos de 2016, será mais uma temporada com poucos gols sofridos.

AS DUPLAS DE ZAGA PÓS-2008

Chicão e William:  dupla chegou ao Corinthians após o rebaixamento. Chicão veio do Figueirense, enquanto William cedido pelo Grêmio, que devia dinheiro ao clube. Os dois foram titulares nos anos de 2008, 2009 e 2010, sendo campeão da Série B, da Copa do Brasil e do Estadual.

Chicão e Castán: William decidiu se aposentar e a zaga do Corinthians a partir de 2011 foi composta por Castán, que passou a atuar ao lado de Chicão – Wallace e Paulo André eram os outros defensores. Os dois foram campeões brasileiros e da Libertadores (invicto).

Chicão e Paulo André: com a ida de Castán para a Itália, Paulo André assumiu o posto com Chicão. Foi a dupla de zaga campeã do mundo.

Paulo André e Gil: Chicão deu espaço para Gil. E foi ao lado de Paulo André que o Corinthians ganhou o Estadual, contra o Santos, e a Recopa, diante do São Paulo, em 2013.

Gil e Cleber: Foi com essa dupla que o Timão iniciou a temporada de 2014.

Gil e Anderson Martins: com a saída de Cleber para a Alemanha, a diretoria buscou Anderson Martins, que fechou 2014 ao lado de Gil. Temporada essa que Corinthians não conseguiu levantar taça, mas terminou com uma das vagas na Copa Libertadores de 2015.

Felipe e Gil: com a saída de A. Martins, que voltou para o futebol árabe, Felipe assumiu o posto. O zagueiro estava no Timão desde 2012 e esperava sua chance desde então. E foi com essa dupla que o Corinthians foi campeão brasileiro – Edu Dracena era o terceiro.

Felipe e Yago: com a saída de Gil para a China, por 9 milhões de euros, o prata da casa assumiu o posto de titular da equipe. Vale lembrar que Yago foi bastante utilizado durante a campanha do hexacampeonato, em 2015.

TÍTULOS DURANTE O PERÍODO COM MANO E TITE

2008: campeão da Série B.
2009: campeão paulista (invicto) e campeão da Copa do Brasil.
2010: equipe passou em branco no ano do Centenário.
2011: campeão brasileiro.
2012: campeão da Copa Libertadores (invicto) e campeão mundial.
2013: campão paulista e da Recopa.
2014: equipe passou em branco.
2015: campeão brasileiro (melhor campanha dos pontos corridos)