Lucca ao lado do irmão Pablo Forlán (Foto: Arquivo pessoal)

Lucca ao lado do irmão Pablo Forlán (Foto: Arquivo pessoal)

Bruno Cassucci*
27/04/2016
06:50
Enviado especial a Montevidéu (URU)

Pablo Forlán sempre foi uma inspiração para Lucca. Mais do que isso, é amigo, conselheiro e incentivador na carreira do atacante corintiano. Não se trata, porém, do ex-defensor e ídolo do Peñarol, arquirrival do Nacional – adversário desta noite –, mas sim de um homônimo, irmão do camisa 30.

Fã do estilo de jogo e da postura de Forlán, Luis Luna, pai de Lucca, avisou antes mesmo do casamento com Joaquina Borges que batizaria o primeiro filho do casal com o nome do defensor são-paulino na época, embora torcesse pelo Santos. A mulher, que nem sequer sabe a nacionalidade de Forlán até hoje, concordou. Apaixonado por futebol, Luis Luna fez de tudo para que o primogênito se tornasse um jogador profissional, mas o pequeno Pablo nunca demonstrou aptidão com a bola nos pés nos gramados de Palmas, no Tocantins.

Contudo, sete anos depois da homenagem ao zagueiro nasceu Lucca, o segundo filho, sem nome de jogador, mas com talento e paixão pelo futebol. Com o passar do tempo, Luis Luna logo percebeu que o sonho de ter um boleiro na família se concretizaria, mas não imaginava que o herdeiro se tornaria titular do Corinthians e fosse hoje uma das principais armas da equipe na terra de Forlán, contra o Nacional (URU), às 21h45, no Estádio Parque Central, pelas oitavas de final da Copa Libertadores.

– É muito emocionante para mim, pois sempre quis ter um filho no futebol. Quando o Lucca foi para o Corinthians a ficha demorou a cair, era o sonho meu e dele, que era corintiano desde a infância. Por toda a vida o Lucca falou que um dia chegaria lá, que vestiria a camisa do time do coração dele – disse Luis, em entrevista exclusiva ao LANCE!.

Nesta noite, o atacante pode dar um importante passo para a realização de um outro sonho. Se eliminar o Nacional, o Timão tem chance de enfrentar nas quartas de final o Boca Juniors, da Argentina, que encara o Cerro Porteño (PAR) nas oitavas. Se isso ocorrer, Lucca estará frente a frente com um ídolo de sua adolescência, como conta Pablo Forlán:

– Quando garoto, tudo na vida do meu irmão era Corinthians. Os presentes dele tinham que ser do clube. Era caneleira, boné, até chuteira com o símbolo teve. Ele era muito fã do Tevez, gostava dele demais e vibrou muito com o título de 2005. Quem sabe eles não se enfrentam...

HOME - Corinthians x Cerro Porteño - Copa Libertadores - Lucca (Foto: Ari Ferreira/LANCE!Press)
Lucca é esperança do Timão esta noite (Foto: Ari Ferreira/LANCE!Press)

- BATE-BOLA LUIS LUNA PAI DE LUCCA, AO LANCE!:

Por que escolheu batizar seu filho com o nome de Pablo Forlán?
Ele jogava no São Paulo na época, e eu era fã dele pelo jeito de jogar, durão, na época grandão, todo estiloso. Falei que o primeiro filho homem que tivesse teria o nome dele. Nome e sobrenome, né? Queria até o Justo, mas minha mulher pediu para que fosse apenas Pablo Forlán. Acho um nome forte, pesado, gostou muito.

Mas foi só o segundo filho que brilhou no futebol mesmo...
Foi. Eu fiz de tudo para o Pablo jogar, levei na escolinha, tentei, mas não teve jeito. Ele até gosta de futebol, é são-paulino. Ou melhor, era. Agora todos aqui em casa somos corintianos.

O Lucca, porém, sempre torceu para o Corinthians, certo?
Sempre foi, por isso choramos quando saiu a notícia de que ele estava indo para o Corinthians. Era o sonho dele.

E agora acertou a renovação por mais três anos com o Timão.
Sim. Isso foi bom, pois estava mexendo com a cabeça dele. Ele falava comigo, ficava ligado nesse troço, porque tinha outras propostas, até melhores financeiramente, mas dizia: “Dinheiro não é tudo, tem que ficar onde se sente bem, é feliz”.

"Lucca dizia: 'Dinheiro não é tudo, tem que ficar onde se sente bem, é feliz'", revela o pai do atacante

Como está a cabeça do Lucca depois da eliminação do Paulista?
Infelizmente aconteceu, mas o Tite já motivou o pessoal. Ele estava triste, mas tem que superar. Uma coisa eu sempre digo: meu filho é muito dedicado, esforçado, sabe? Tudo dele é em cima da risca, não é um cara de noitada, bagunça, essas coisas...

Qual o sonho do Lucca agora?
Ele vai longe. O sonho dele é chegar na Seleção, e ele não vai sossegar até lá.


- BATE-BOLA Pablo Forlán Irmão de Lucca, ao LANCE!:

Como é para você ter o nome de um ídolo do futebol uruguaio?
Desde pequeno meu pai já me falava sobre o Pablo Forlán, explicava para todo mundo o por quê colocou meu nome assim e comentava do desejo que eu virasse jogador. Mas não nasci com o dom, não é minha praia (risos). Ainda bem que veio o Lucca depois.

Qual a sua profissão hoje?
Sou gerente administrativo, me formei na universidade em administração.

Então pode ajudar a administrar a carreira do Lucca...
Sim, a gente sempre fala isso. Não sei se empresariar, pois é difícil, o meio do futebol é complicado. Mas sempre conversamos, ajudo ele a administrar umas coisas dele. Ajudo no que posso.

Como era o Lucca na infância, como torcedor do Corinthians?
Nossa, ele era fanático demais. Tinha aquela gozação entre a gente, pois eu era são-paulino e meu pai santista. Na rua também o pessoal brincava. O Lucca sempre falou que queria jogar no Corinthians.

Mas como vocês acompanhavam aos jogos no Tocantins?
Quando não passava na TV aberta, dava um jeito. Ele sempre ia com amigos ver os jogos em algum lugar, dava os jeitos dele. Não tínhamos nem internet em casa, mas nem por isso ele deixava de acompanhar.

E após virar profissional?
Mesmo na época do Criciúma e do Cruzeiro ele torcia pelo Corinthians.

Como foi para um são-paulino ver o irmão naquela goleada por 6 a 1 sobre o São Paulo na Arena?
Eu estava lá, até vesti a camisa do Corinthians. Todo mundo na família mudou de time, torcemos por ele.

*Colaborou Gabriel Carneiro