Jogadores do Corinthians durante treinamento no CT Joaquim (Foto: Daniel Augusto Jr)

Jogadores do Corinthians durante treinamento no CT Joaquim (Foto: Daniel Augusto Jr)

Bruno Cassucci
13/04/2016
07:45
São Paulo (SP)

Assunto que mobiliza, divide e gera debates acalorados Brasil afora, o processo de impeachment da presidente Dilma Roussef também é assunto entre os jogadores do Corinthians. Sim, embora publicamente os atletas se limitem a comentar jogos, classificações de campeonatos e questões técnicas e táticas, internamente no clube eles também comentam sobre política e os rumos do Brasil.

Do elenco alvinegro de mais de 30 jogadores, não são todos que gostam de falar do tema. Porém, há grupos favoráveis e contrários à destituição de Dilma, e eles travam discussões no centro de treinamento e nas concentrações, como revelou o volante Elias, ao LANCE!.

Filho de um sindicalista e militante de esquerda, o camisa 7 do Timão prefere não expor sua opinião política e se justifica:

- A gente sabe que quando se posiciona sempre vem alguém com pedra na mão para atirar na gente. Então acabamos não nos posicionando. Mas eu tenho minha convicção, meus pensamentos, e guardo para mim. O voto já é secreto por causa disso. Você tem sua opinião, vai lá na urna e exerce. A gente tem que fazer nosso dever de sempre acompanhar a política, inteirado, atento ao noticiário para quando chegar a nossa vez de dar a nossa opinião - a que vale, nas urnas - fazermos nosso papel e votar bem para nosso país - comentou, em entrevista no CT Joaquim Grava.

Segundo Elias, o clima chega a esquentar quando a política entra na pauta dos boleiros corintianos, mas sempre com respeito às divergências.

- A gente comenta, quebramos o pau às vezes na hora do lanche (risos). Alguns jogadores se interessam mais, outros nem tanto. Quebramos o pau sim, cada um tem sua opinião, e temos que passar esse exemplo aos demais. Eu tenho minha opinião, outros também têm, e nos respeitamos. O que vale é o bem maior, que é nosso país e aqui o clube. Temos nossas divergências, mas o que mais vale é o clube, por isso nos respeitamos - declarou.

- Tem jogadores que ficam alheios a isso, mas eu gosto de estar envolvido e saber o que acontece com o país. É o futuro nosso e do país - completou.

No próximo domingo, o pedido de impeachment da presidente ganhará um novo capítulo, com a votação pela Câmara Federal para saber se o processo será aberto ou não. Os jogadores do Timão poderão acompanhar a tudo ao vivo, já que a partida contra o Red Bull Brasil foi antecipada para sábado.

Elias certamente estará ligado, mas não quis revelar a torcida no pleito:

- Prefiro que cada um tenha sua opinião, não seja influenciado por alguém contrário ou favorável (ao impeachment). Eu falo com pessoas próximas a mim e creio que o público tem que se interessar e ter uma opinião própria, formada. Respeitarei se essa opinião for diferente da minha.