Luciano e André

Atacantes ainda afinam a pontaria após 23 jogos do Corinthians nesta temporada (Foto: Agência Corinthians)

Gabriel Carneiro
15/04/2016
08:00
São Paulo (SP)

Um por todos, todos por um. No Corinthians em que um reserva, o paraguaio Ángel Romero (sete gols), é o principal artilheiro da temporada, a solidariedade reina na lista de goleadores. Em 23 partidas nesta temporada (20 compromissos oficiais, dois pela Flórida Cup, nos Estados Unidos, e um amistoso), foram 36 gols marcados, uma média de 1,5 por partida. O mais curioso é que 18 jogadores diferentes foram responsáveis por construir a marca que agrada o técnico Tite.

– Para quem está se reformando agora temos boas marcas. Quero enaltecer o trabalho da equipe toda, o número de atletas que utilizamos. Eu me sinto no dever de passar ao torcedor minha gratidão em relação ao trabalho realizado. Melhor defesa, melhor saldo, disciplina... – enumerou o técnico do melhor time da primeira fase do Paulista e do primeiro brasileiro classificado às oitavas de final da Copa Libertadores.

Com Romero à frente da lista de artilheiros, o Corinthians tem outros 15 goleadores no ano: Lucca, Rodriguinho, Felipe, André, Balbuena, Fagner, Guilherme, Uendel, Yago, Danilo, Edilson, Maycon, Alan Mineiro, Giovanni Augusto e Elias, além de dois contra (Escalona e Mareco), na Libertadores.

O auge da solidariedade ofensiva do Timão, porém, ocorre durante um jejum dos homens de ataque. Enquanto Luciano ainda não balançou a rede desde a recuperação da lesão e já amarga sete jogos nesta condição, André se aproxima do reserva: são seis jogos sem marcar, desde 9 de março, quando fez um dos gols que não evitaram a derrota contra o Cerro Porteño no Paraguai. Pelo Corinthians, em 14 partidas (dez como titular), o substituto de Vágner Love tem só dois gols anotados.

– Isso mostra que todo mundo é importante, não são só 11. Eu venho jogando para o time. Claro que quero fazer gol, me estimula, mas o mais importante é todo mundo se ajudando e o time ganhando – justificou André, em entrevista recente ao L!.

Se André e Luciano não têm colaborado nas estatísticas ofensivas, há mais oito (e apenas oito) atletas de linha esperando sua chance de marcar. Seja quem for, Tite agradece.