Fluminense x Corinthians

Empate em 1 a 1 no Giulite Coutinho dá vantagem de se classificar com 0 a 0 em seu estádio (Foto: Paulo Sergio)

LANCE!
01/09/2016
00:34
Mesquita (RJ)

Cristóvão Borges até aprovou o empate em 1 a 1 com o Fluminense na noite desta quarta-feira, fora de casa, pela abertura das oitavas de final da Copa do Brasil, mas o que deixou o treinador realmente satisfeito foi o fim da possibilidade de novas perdas no elenco, já que a janela de transferências para o futebol europeu está fechada e dificilmente algum jogador será negociado após as saídas de quatro peças nas últimas semanas: Luciano, André, Bruno Henrique e Elias. A última perda foi do camisa 7, vendido ao Sporting (POR).

- Não só com Elias, como com outros, é que o clube não detém totalidade de direitos, não tem poder de resolver sozinho, daí tem dificuldades, porque o meu desejo era que o jogador permanecesse. Mas tendo impossibilidade dificulta. Isso acontece. Ainda bem que a janela fechou. Quem foi, foi, e quem está aqui vamos juntos até o final. Quando eu cheguei o trabalho já era de remontagem, já havia saído alguns do ano passado. Esse trabalho só continua, e mesmo com tudo isso estamos fazendo uma campanha elogiável, passando pelas dificuldades. Melhorando um pouco, e vamos melhorar, brigamos mais em cima - discursou o técnico do Corinthians após a partida no Rio de Janeiro.

O Corinthians saiu atrás do Fluminense nesta quarta-feira, já que Marquinho abriu o placar aos 36 minutos do primeiro tempo. Na etapa complementar, entretanto, Rodriguinho garantiu o empate aos 17 minutos. Os jogadores celebraram o resultado fora de casa, já que um simples empate sem gols no jogo de volta assegura a classificação para as quartas de final, e o confronto será disputado em 21 de setembro na Arena de Itaquera, palco onde o Timão não perde há mais de um ano.

- Resultado bom, porque é uma competição de dois jogos eliminatórios, e o gol fora de casa tem peso grande. Conseguimos esse gol e o empate, e isso significa bastante - relatou Cristóvão, que não vê o excesso de passes errados como um problema em busca da classificação à próxima fase da Copa do Brasil.

- Em relação a passes foi um jogo de muito empenho na marcação, nós procuramos jogar pressionando, e isso induz a erro. Também tem campo molhado, chovendo, marcação pressão, induz que as equipes errem mais.