Cristóvão e time

Treinador soma sete vitórias, quatro empates e quatro derrotas em seu início de trabalho (Foto: Daniel Augusto Jr)

Gabriel Carneiro
10/09/2016
12:59
São Paulo (SP)

Cristóvão Borges tem apenas 15 jogos no comando do Corinthians e semana que vem completa três meses à frente do clube. Mesmo em tão pouco tempo, o treinador já enfrentou jejuns de vitórias, sequências de bons resultados e ocupou praticamente todas as posições entre a liderança e o quinto lugar da tabela do Campeonato Brasileiro. Hoje, o Timão é quarto colocado e abriu quatro pontos de vantagem no Santos, que é o perseguidor mais direto e próximo adversário, neste domingo, às 16h, na Vila Belmiro. A ideia do treinador neste momento, a 15 jogos do fim da competição, é ampliar a vantagem para quem vem atrás e se aproximar ainda mais de Atlético-MG, Flamengo e Palmeiras, os três primeiros neste momento.

Para encerrar a oscilação e, enfim, embalar no comando do Corinthians, Cristóvão Borges confia em bom resultado na partida diante do Santos. Mesmo com o rival desfalcado de peças importantes, como os suspensos Victor Ferraz, Lucas Lima e Ricardo Oliveira, o treinador do Timão mostrou respeito ao próximo adversário, escondeu sua escalação e comentou a expectativa para o jogo deste domingo: 

- Não só por estar jogando fora de casa, não, mas pela necessidade do campeonato. Então, jogando fora ou em casa temos que fazer resultado. Agora eu sinto que é um momento mais estável, em que a equipe está mais confiante, e vejo jogadores importantes crescendo, é indicativo de que podemos nos firmar a qualquer momento. Acho que podemos nos firmar agora - disse Cristóvão, que ainda completou o pensamento.

- A equipe melhorou, começou a ter resultados bons, boas atuações, e aí o ângulo de visão muda. Isso é futebol, é assim. O que queremos e vamos procurar é manter o crescimento da equipe, jogando bem e conseguindo bons resultados. Isso é desde sempre (briga por título), porque estamos sempre entre os primeiros. Isso quer dizer que temos chances, mas é necessário a manutenção disso, ficar sempre próximo. Já tivemos oscilações, que são normais no campeonato, e agora precisamos conseguir uma regularidade maior. Importante é que nas próximas rodadas todas as equipes que estão nas primeiras posições vão ter confrontos diretos, e quem aproveitar melhor, conseguir manter a regularidade, vai tirar proveito e chegar mais perto.

Em entrevista coletiva concedida neste sábado, no CT Joaquim Grava, Cristóvão ainda relativizou a dimensão dos desfalques do Santos para a partida. Ele, que terá os retornos de Fagner e Marquinhos Gabriel na Vila Belmiro, mas não conta com o suspenso Yago, prevê dificuldades.

- Nossa consciência real do jogo é que o Santos é como o Corinthians, time grande, e time grande pode perder jogadores, mas se manter. Não temos dúvida nenhuma da dificuldade, o jogo não vai mudar. Logicamente são jogadores importantes, mas uma equipe desse nível, mesmo com as trocas, propõe um jogo dificílimo. O Santos é difícil de ser batido em casa, adversário fortíssimo e estamos preparados para grandes dificuldades - contou o técnico.