LANCE!
07/05/2016
15:47
São Paulo (SP)

Os maus resultados de Dunga à frente da Seleção Brasileira, atual sexta colocada das Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018 com duas vitórias em seis partidas, reavivaram parte do clamor popular pelo nome de Tite no comando da equipe nacional. Nos últimos meses, o treinador do Corinthians tem respondido diversos questionamentos a respeito do tema, sempre argumentando que "este assunto não é para mim". Na próxima segunda-feira, no Rio de Janeiro, o atual técnico da Seleção e o nome que sempre lidera as listas de preferidos terão um encontro, justamente na sede da CBF (Confederação Brasileira de Futebol).

Assim como os outros 19 técnicos da Série A do Campeonato Brasileiro e os comandantes de Avaí (Silas), Vasco (Jorginho), Goiás (Enderson Moreira) e Joinville (Hemerson Maria), Tite foi convidado para o 2º Encontro de Técnicos da CBF, evento que visa discutir elementos da profissão e debater possíveis mudanças com a entidade. Dunga, técnico da Seleção Brasileira, Gilmar Rinaldi, coordenador de seleções, e outros dirigentes da CBF estarão no mesmo evento e, de acordo com o jornal "Folha de S. Paulo", Tite já confirmou presença.

Em depoimento ao livro "Tite", recém-lançado pela jornalista Camila Mattoso, o treinador do Corinthians conta que já recusou convites de aproximação de dirigentes ligados à CBF para substituir Dunga no comando da Seleção Brasileira em 2015 e 2016. Uma das justificativas para não ter ido às reuniões foi dada a familiares e pessoas próximas, dando conta de que não trabalharia com "essas pessoas", no caso, os dirigentes da CBF. Marco Polo Del Nero, presidente da CBF, negou ao livro ter feito convites a Tite.

O questionamento público mais recente a Tite sobre o assunto foi feito na entrevista coletiva concedida pelo treinador nesta sexta-feira, no CT Joaquim Grava. Eliminado da Copa Libertadores durante a semana para o Nacional (URU), o atual campeão brasileiro voltou a ter o nome ligado à Seleção, e não se mostrou à vontade com as especulações. A pergunta, especificamente, era se a queda na competição continental pelo Timão deixaria o caminho livre para uma possível resposta positiva ao convite para dirigir a Amarelinha.

- Fico constrangido. A equipe de trabalho deste ano merece meu respeito - disse Tite, em referência ao grupo que comanda no Corinthians.