Gabriel Carneiro
03/01/2017
18:34
São Paulo (SP)

Nove vezes campeão da Copa São Paulo de Juniores, o Corinthians inicia a caminhada pelo décimo título nesta quarta-feira, às 18h45, contra o Pinheiro-MA, no estádio Joaquinzão, em Taubaté. A busca é por um número tão expressivo que o Real Madrid chamou a Liga dos Campeões vencida em 2014 de "La Décima", e é com um pensamento semelhante que o Timão tenta ampliar sua hegemonia como maior vencedor da história da competição. Como fator de motivação para o torneio, o técnico Osmar Loss convidou um palestrante ilustre para o último treino da equipe antes da viagem a Taubaté.

Trata-se de um rapaz chamado Ronald Santos Trindade, de 17 anos. Nas redes sociais, em que tem quase 2 mil seguidores no Twitter e mais de 7 mil fãs no Facebook, ele é mais conhecido como Ronald Capita. Auto-declarado torcedor do Flamengo de Guarulhos, clube da Terceira Divisão do futebol paulista. E desde os dois anos diagnosticado com Síndrome de Marfan, uma doença rara que afeta o sistema cardiovascular, esquelético, os olhos e a pele.

"Uma das características do Marfan são as mãos grandes, pés largos, crescimento acelerado e o não acompanhamento do tronco – originando, assim, a escoliose. Já a escoliose (...) é uma má formação na coluna. A minha, por exemplo, tinha um formato de S de tão torta que ela era. Fiz aproximadamente 11 cirurgias. E ela continua torta mesmo com tantas operações para correção disto", já explicou Capita, em um texto publicado na internet.

Nos últimos anos, ele enfrentou internações, cirurgias de seis em seis meses, antibióticos de efeitos fortíssimos, UTIs, paradas cardiorrespiratórias, drenos, sondas, depressão, noites sem dormir, dores e especialmente a cadeira de rodas, que utiliza desde os nove anos. Nada disso desanimou Ronald Capita. E foi justamente durante uma dessas frequentes internações que o jovem se apaixonou pelo rádio e decidiu que queria ser jornalista esportivo. O futebol era a grande paixão e o que fez ter forças para enfrentar as batalhas diárias.

Nada foi fácil, mas aos poucos Ronald começou a conhecer jogadores, treinadores, jornalistas e se familiarizar à área. Hoje já é amigo de vários, por exemplo. Teve blogs, portais, apareceu na televisão, falou no rádio, colaborou em diversos sites e sonha em entrar na faculdade de jornalismo em 2017, quando completará 18 anos. Além disso, ele encabeça uma campanha em prol da acessibilidade de torcedores cadeirantes nos estádios de futebol. 

Mais recentemente, o jovem enfrentou mais desafios e obteve mais vitórias. Com acompanhamento fisioterápico, ele está voltando a andar. O que antes parceria impossível hoje já é uma realidade. E toda essa história de lutas, superações e voltas por cima fez Osmar Loss, técnico do time sub-20 do Corinthians, convidar Ronald Capita para dar uma palestra motivacional aos 25 meninos que vão brigar pela conquista da Copa São Paulo. Uma das razões do chamado foi justamente um vídeo do Capita andando ao som da música "Marginal Menestrel", do MV Bill. 


- (O convite para a palestra) Foi a confirmação de que toda dor, todo sofrimento, choro e até as perdas tiveram um motivo. Nada foi em vão. Se eu não tivesse passado a metade daquilo que enfrentei e pude passar para eles não teria graça. Não motivaria, nem faria sentido. Quando eu contava a minha história vi que eles observavam atentamente. Alguns mais tímidos, outros fixamente. Depois, quando cheguei em casa e publiquei a foto da visita, vi que dezenas de atletas haviam me seguido nas redes sociais. Alguns me mandavam solicitações. As mensagens de agradecimento que eles deixaram para mim foram sensacionais - diz Ronald Capita, no dia seguinte da palestra.

Após ouvirem lições de perseverança, os meninos corintianos viajaram a Taubaté onde começam a lutar pelos próprios sonhos nesta quarta-feira. Já Capita, como diria MV Bill, fica com as mensagens de apoio e as lições: "O tempo não espera, não há espaço pra chorar. Andei no escuro e agora vou brilhar".