Bruno Cassucci
10/11/2016
18:23
São Paulo (SP)

O goleiro Cássio acredita que é mais cobrado que os demais companheiros do Corinthians. Muito contestado nesta temporada, o camisa 12 diz que oscilou juntamente com a equipe e encara com naturalidade as críticas de parte da Fiel.

Para defender a sua teoria, ele chegou a citar outros ídolos que passaram pelo Timão no passado e foram alvo de protestos.

- Isso (cobranças) é normal. Por tudo que construí - e tenho certeza que vou construir ainda mais - acredito que sou cobrado mais. Se fosse outro goleiro, talvez não fosse tão criticado. Acho que pelo fato de ter mais tempo de clube, por tudo. Sempre que vai sentar e conversar alguma coisa sou eu, dar entrevista em momentos difíceis... Mas é difícil falar. Dizem: "A torcida critica o Cássio". Mas onde vou a torcida tem o maior respeito. Muitas vezes pelo momento ou pela situação a cobrança pode ser maior, mas é normal, aconteceu com outros jogadores consagrados que foram criticados, como Marcelinho Carioca, Edilson, Vampeta... Estou focado em ajudar o Corinthians dentro e fora de campo - declarou, em entrevista coletiva.

Mais uma vez, Cássio comentou a disputa de posição com Walter, que após ficar fora do clássico contra o São Paulo, por dores na coxa direita, voltou a treinar nesta quinta-feira. O camisa 12 disse não ver problemas na concorrência e afirmou que a decisão sobre quem irá atuar contra o Figueirense, na próxima quarta, em Florianópolis, compete ao técnico Oswaldo de Oliveira.

O goleiro destacou a importância de vencer os próximos quatro jogos no Campeonato Brasileiro e garantir vaga na próxima Copa Libertadores:

- Oscilamos muito no ano, fomos irregulares, tivemos momentos bons e ruins. Ficamos um pouco abaixo no segundo semestre, acabamos ficando para trás, e agora precisamos correr atrás do prejuízo nestas quatro partidas. Se não ficarmos no G6 será uma decepção - declarou.

Confira abaixo os principais trechos da entrevista de Cássio:

CONCORRÊNCIA
Tranquilo, normal, como em todas as posições. Tem um treinador que decide quem joga. Quem entrar, servirá bem o Corinthians.

HISTÓRIA NO TIMÃO CHEGANDO AO FIM?
Não, tenho mais três anos de contrato, pretendo cumprir meu contrato, estou há cinco anos aqui. Este ano não foi bom para o Corinthians, mas é assim. Já conquistei cinco títulos em cinco anos, mais de 250 jogos, o importante agora é fazer boa pré-temporada e começar bem 2017. Potencial já mostrei que tenho.

DEFESA JOVEM
Tem de passar tranquilidade, os meninos estão treinando há um bom tempo aqui, inclusive o Léo Santos. O Pedro Henrique jogou partidas difíceis, o Léo Príncipe também, o Arana nem se fala. É passar tranquilidade. Confiança não falta. O mais difícil é treinar, manter a regularidade no treino. No jogo é só colocar em prática.

DERROTA PARA O SÃO PAULO

Para ser bem honesto, fiquei muito chateado, não tive nem coragem de ver os melhores momentos. Foi um dos piores finais de semana desde que cheguei no Corinthians. Mas precisamos nos levantar, foi bem dolorido, mas precisamos pensar no próximo jogo. Agora é focar, nos preparar bem, tentar melhorar o que não está fazendo bem e ir forte para o próximo jogo, para chegar no G6.

O QUE PERDE E GANHA FICANDO MAIS NO CLUBE
Perder, acho que nada. Vão olhar para os títulos e meu nome sempre estará lá. Sempre fui um cara honesto com o Corinthians, até falo coisas que criam polêmicas, quando erro admito... Nos títulos que ganhei meu nome sempre estará escrito. Tenho dedicação e amor pelo Corinthians, mesmo sofrendo gols, sempre dei meu melhor.