Gabriel Carneiro
18/08/2016
12:09
São Paulo (SP)

Líder do elenco do Corinthians e titular após a chegada do técnico Cristóvão Borges, o goleiro Cássio analisou a má fase da equipe em entrevista coletiva nesta quinta-feira, no CT Joaquim Grava. O Timão já não vence há três rodadas do Campeonato Brasileiro, deixou o G4 após mais de dois meses e perdeu o posto de melhor defesa da competição ao ser goleado pelo Grêmio no último fim de semana - jogo em que o camisa 12 falhou no terceiro gol. 

Uma das explicações do goleiro para o momento negativo do Corinthians no Brasileirão é o excesso de mudanças em relação ao ano passado, quando a equipe foi campeã brasileira sob o comando de Tite. Segundo Cássio, alguns dos 13 jogadores contratados para repor as perdas de Felipe, Gil, Ralf, Renato Augusto, Jadson, Malcom e Vagner Love ainda não estão completamente adaptados ao Timão. Especialmente nos momentos de pressão, como o vivido atualmente.

- Posso estar errado no que falo, mas o Corinthians conquistou tudo depois da Segunda Divisão, são poucos anos em que não ganhou e às vezes ganhou dois títulos no mesmo ano. Querendo ou não da equipe campeã ano passado ficamos eu, Elias e os dois laterais. Perdemos os melhores do Brasileirão, um cara importante, como o Love, e outros jogadores. É lógico que o clube sente. Ainda tem alguns se adaptando, que nunca pegaram um time de mais pressão. Pode vir cobrança de fora, críticas, mas nós precisamos estar fechados para subir na tabela - relatou Cássio, que foi capitão em um dos 11 jogos de Cristóvão pelo Timão até o momento.

Sobre as críticas, o próprio goleiro também encarou contestações recentes. Ex-jogador do próprio Timão e com passagem recente pela Juventus (ITA), Rubinho disse que Cássio é um jogador "muito superestimado" e que ainda mantém a condição de titular por conta do desempenho em 2012, quando foi campeão da Libertadores e do Mundial pelo clube. Cássio falou pela primeira vez a respeito do assunto, e mostrou não se importar com a opinião de Rubinho.

- Ele tem o direito de falar o que quiser. Fico um pouco chateado porque ele é goleiro. Acho que ele não sabe da minha história, o quanto ralei para chegar até aqui. Eu sei quem eu sou, o que trabalhei para conquistar o nível que tenho no Corinthians e ele pode falar o que quiser. Não quero falar nada sobre o Rubinho, me preocupo com o meu trabalho. Estou focado no Corinthians, um momento em que eu sou importante. Não me importo com a opinião dele, e sim com a minha, dos meus companheiros, da comissão técnica e da diretoria - relatou o goleiro corintiano, colocando foco na reação do Timão no Brasileiro.

- É difícil tu fazer um diagnóstico, porque temos jogadores de muita qualidade e os resultados não vêm. O que frustra mais é não ter conquistado alguns pontos em casa, ficamos um pouco chateados. Ficamos chateados, mas é focar na próxima partida. Tem muitos jogos pela frente e queremos uma sequência de vitórias que nos leve para a frente.