Guilherme Amaro
06/02/2017
07:00
São Paulo (SP)

Inspirado em Tite, o técnico Fabio Carille iniciou sua trajetória como efetivado no comando do Corinthians tendo como o primeiro objetivo acertar o sistema defensivo. Após ser a equipe menos vazada do Brasileiro em 2015, o Timão não conseguiu ter o mesmo desempenho no ano passado e terminou o campeonato apenas com a oitava melhor defesa, com 42 gols sofridos.

Neste início de temporada, porém, o "efeito Carille" já começa a aparecer. O Corinthians não foi vazado nos últimos três jogos (empate com o São Paulo e vitórias por 1 a 0 sobre Ferroviária e São Bento), repetindo o feito após um semestre. A última vez que o Timão havia passado três partidas sem sofrer gol foi entre o fim de junho e início de julho de 2016, com Cristóvão Borges, nos triunfos sobre América-MG, Flamengo e Chapecoense.

- É importante fazer um jogo seguro, como fizemos contra o São Bento, sofrendo pouco e com o nosso goleiro trabalhando pouco. Com o tempo, vamos ajustando para ter uma equipe equilibrada atrás e no ataque. Temos a consistência defensiva. A primeira ideia é parar de tomar gols, coisa que aumentou muito no ano passado - analisa Carille.

Apesar de comemorar o consistência defensiva em 2016, o treinador admite que o sistema ofensivo ainda tem de melhorar. Carille acredita que o setor vai melhorar com a "repetição" e observa alternativas no elenco, mas diz que manterá o esquema 4-1-4-1.

Outro fator que deixa Carille empolgado para melhorar o sistema ofensivo é a chegada de Jadson, que deve ser anunciado nesta segunda-feira. O meia, porém, só terá condições em cerca de um mês, já que atuou pela última vez em outubro, pelo Tianjin Quanjian, da China.

Até agora em 2017, o Corinthians fez quatro jogos, sofreu apenas um gol, na goleada por 4 a 1 sobre o Vasco, e marcou seis. Carille já começa a dar sua cara ao time desta temporada.