Gabriel Carneiro
19/08/2017
19:21
São Paulo (SP)

Técnico do Corinthians há oito meses, Fábio Carille conheceu na tarde deste sábado sua terceira derrota pelo clube. Com gol de Tréllez no primeiro tempo, o Vitória venceu o Timão por 1 a 0 diante de mais de 40 mil torcedores em Itaquera, e o treinador admitiu clima triste no vestiário e até mesmo erros cometidos por sua equipe em campo. Apesar dos dois registros negativos, Carille falou em manter as convicções e valorizou a campanha até aqui.

- Eu sou muito ciente e tranquilo de tudo, porque trabalho demais todos os dias, sempre buscando o melhor. Infelizmente as coisas não acontecem às vezes. Foram 34 jogos sem perder, melhor campanha, um turno inteiro... falei no vestiário, que estava triste, que temos que nos orgulhar do que construímos. Perdemos nos pênaltis para o Inter na Copa do Brasil e todos tristes, mas levantamos a cabeça. Agora é fazer isso de novo - afirmou o técnico do Timão, otimista pelos próximos desafios.

- Não existe equipe imbatível, a gente sabia. Sabíamos da proposta do Vitória, fez bom jogo assim contra o Cruzeiro em Minas, Flamengo também. Temos que nos sentir orgulhosos por tudo o que fizemos até agora. Tristes por hoje, porque já tínhamos conseguido vencer equipes fechadas, como São Paulo, Santos e Cruzeiro, mas agora é se preparar para Chapecó.


O Corinthians tem 51 partidas no ano, com 31 vitórias, 17 empates e agora três derrotas. O time completaria 35 partidas em cinco meses de invencibilidade neste sábado, mas caiu para o Vitória e encerrou quatro sequências marcantes: jogos sem perder no ano, jogos sem perder no Brasileirão, jogos sem perder na Arena Corinthians e jogos sem perder para o Vitória na capital paulista, algo que nunca havia acontecido.

- Tirando mudanças e improvisações no fim do jogo, quando coloquei Jadson e recuei Gabriel, dificilmente vou desorganizar e sair da linha de trabalho. Se eu fizer algo diferente as chances de conseguir algo são menores. Quando olhar para esse jogo é saber que é necessário mais paciência, porque o jogo era pelos lados. Cruzamos muito no primeiro tempo e depois centralizamos demais, eles estavam fechados. Pedimos para que abrisse. Mas enfim, é continuar com nossas convicções.