Fabián Balbuena (foto:AFP)

Fabián Balbuena é convocado com frequência para a seleção paraguaia (foto:AFP)

Guilherme Amaro
06/02/2016
17:51
São Paulo (SP)

O zagueiro paraguaio Fabián Balbuena chega ao Brasil neste domingo e fará exames médicos antes de assinar contrato por três anos com o Corinthians na segunda-feira. Ainda em Assunção, o jogador conversou com a reportagem do LANCE! por telefone e se apresentou à torcida do Timão.

- A expectativa é muito grande, estou muito entusiasmado com a oportunidade. Só falta assinar, o que deve ocorrer na segunda-feira. Espero retribuir a confiança que o clube está depositando em mim - afirmou Balbuena.

- Sei que tem muita diferença do futebol paraguaio para o brasileiro, mas confio muito na minha capacidade. Estou bem fisicamente, mas vou ter que passar um processo de adaptação. Tenho o pensamento muito otimista e acho que não vou demorar para me adaptar - acrescentou.

O Corinthians pagará ao Libertad (PAR) 1,5 milhão de dólares (cerca de R$ 6 milhões) por 100% dos direitos econômicos do jogador. Acertados desde os últimos dias, os clubes negociavam apenas a forma de pagamento.

Aos 24 anos, Balbuena iniciou a carreira no Cerro de Franco e passou por Rubio Ñu e Nacional, todos do Paraguai, antes de chegar ao Libertad. O zagueiro tem 1,88m e 82kg.

Balbuena disputará posição com Felipe e Yago, que foram titulares nos dois primeiros jogos no Paulistão, além de Vilson e do jovem pedro Henrique.

O paraguaio será o décimo reforço do Timão nesta temporada. O clube já havia contratado Douglas, Vilson, Moisés, Willians, Marlone, Guilherme, Giovanni Augusto, Alan Mineiro e André.

O São Paulo chegou a tentar atravessar o negócio fazendo uma proposta pelo jogador ao Libertad. O diretor adjunto de futebol do Timão, Eduardo Ferreira, chegou a ironizar o clube tricolor por conta disso: 

- É triste um clube (São Paulo) desse tamanho, não tão grande como o Corinthians, mas é grande também, tentar uma negociação sendo que já estava praticamente acertado conosco - declarou, em entrevista coletiva na sexta-feira. 

Confira a entrevista completa com Balbuena:

O São Paulo tentou sua contratação?
Eu falei apenas com o Corinthians. Falaram aqui no Paraguai que outros clubes me procuraram, mas eu não falei com mais ninguém.

Quais são suas características?

Não gosto muito de me avaliar, seria soberba fazer um elogio, mas tenho muita vontade em campo. Sou um jogador que sabe sair jogando por baixo, não tenho problema com as bolas nos pés. Gosto de antecipar as jogadas, tentando ler o que os rivais vão fazer para eu tomar a decisão certa. Falo muito dentro de campo para orientar os companheiros, porque o zagueiro tem o panorama do que está acontecendo no campo. Por mais que eu seja alto, não me considero lento porque tenho as pernas longas. No jogo aérea, faço proveito da minha altura. Tenho muita entrega e defendo o time até a morte.

Acha que o Corinthians pode brigar por títulos neste ano?
Eu ainda não vi um jogo completo do Corinthians, porque aqui no Paraguai não temos um canal que passe os jogos, mas acho que o Corinthians contrata jogadores para isso: buscar títulos. Um jogador que atuar no Corinthians é porque tem qualidade e talento. Para jogar em um time grande como o Corinthians tem que lugar para ganhar os torneios que a gente disputa. Não pode ter outro pensamento. Sair em segundo lugar é como se fosse em último. Tem que ser sempre o máximo.

Você já foi vice da Libertadores com o Nacional em 2014. Qual é a expectativa com o Corinthians? Qual é o segredo para chegar longe no torneio?
A Libertadores é um torneio muito difícil. Além de ter bons jogadores, o time tem que ser unido dentro de campo e fora. No Nacional, por exemplo, a gente não tinha muitos jogadores de nome, eram mais jogadores em formação, mas era uma família. Essa união deve ser um fatos fundamental.

Conhece o Tite?
Sim, de nome. Ele é um treinador conhecido mundialmente, tem um nível internacional. Quero tratar de ficar à disposição para poder ajudar a equipe e retribuir a confiança que o clube está depositando em mim.

Chegou a falar com algum jogador paraguaio?
Ainda não. Estive na Copa América com o Cáceres (Flamengo) e Piris (ex-São Paulo), e eles falaram muito bem do futebol brasileiro. Assistia a jogos do Brasil quando eu era pequeno e acompanhava o Campeonato Brasileiro. Sei que é um campeonato muito difícil de jogar, mas estou muito entusiasmado com essa oportunidade.