Rodrigo Vessoni
25/05/2016
06:45
São Paulo (SP)

Com gols, assistências, liderança perante o elenco e boas atuações, Fagner tornou-se um dos destaques do Corinthians nesta temporada. Fato que por um lado é comemorado, mas por outro gera apreensão de diretoria e comissão técnica do clube. A preocupação é com um possível assédio europeu ao lateral-direito de 26 anos na janela de transferências.

A situação de Fagner, contudo, é diferente da de Felipe e Elias. A saída do zagueiro já é dada como certa pelo Timão, que discute detalhes com o Porto, de Portugal, antes de sacramentar a transferência. Já o volante desperta interesse em clubes chineses, em especial o Shandong Luneng, mas o Corinthians ainda não recebeu ofertas ou sondagens e acredita que tem reposições para ele no elenco.


Uma eventual saída de Fagner preocupa não apenas pelo que o camisa 23 representa hoje para a equipe como também pela falta de um reserva. Edílson foi cedido ao Grêmio recentemente, e o único lateral-direito à disposição de Tite no momento é Léo Príncipe, que nem sequer tem sido relacionado para as partidas.

A comissão técnica alvinegra entende que o jovem de 19 anos, que estava emprestado ao Oeste, ainda não está preparado. Até por isso ele tem treinado muito o posicionamento, sobretudo na marcação, à exemplo do que fez o próprio Fagner ao retornar ao Corinthians, em 2014.

Na última semana, Tite chegou a testar os volantes Willians e Cristian como laterais em treinamentos.

Além do mercado exterior, há um outro “fantasma” em relação a Fagner. Daniel Alves sente dores no calcanhar e corre o risco de ser cortado da Seleção na disputa da Copa América. Se isso acorrer, o ala corintiano irá aos Estados Unidos na vaga dele.