Guilherme Amaro
23/08/2017
07:00
São Paulo (SP)

Antes mesmo de ter a invencibilidade de 34 partidas quebrada, o discurso dos jogadores do Corinthians era o mesmo: uma hora a equipe perderia e teria de ter calma para seguir na liderança do Brasileirão. Nesta quarta-feira, às 19h30, o elenco colocará à prova essa filosofia contra a Chapecoense, no jogo seguinte à derrota para o Vitória, sofrida no último sábado.

Um exemplo usado pelo técnico Fábio Carille como prova de que "a vida tem de seguir" foi a eliminação para o Internacional na Copa do Brasil. Na ocasião, o Corinthians estava no meio da semifinal do Paulista, não se abateu e acabou com o título do campeonato estadual.

- Foram 34 jogos, melhor campanha, um turno inteiro... Falei no vestiário que estava triste, mas que temos que nos orgulhar do que construímos. Perdemos nos pênaltis para o Inter na Copa do Brasil e todos ficaram tristes, mas levantamos a cabeça. Agora é fazer isso e novo, a vida tem de seguir - disse Carille, após a derrota para o Vitória.

Além dessa filosofia, o elenco do Corinthians também será desafiado contra a Chapecoense. Só contando o time considerado ideal, são quatro desfalques: Balbuena, Pablo, Guilherme Arana e Jadson.

A diretoria e comissão técnica acreditam que o atual elenco é capaz de suportar o Brasileirão, e o objetivo principal é não vender jogadores, principalmente os titulares. Reforços para zaga, lateral direita e meio de campo foram cogitados, mas o Timão não viu urgência.

Por conta dos desfalques, a partida desta quarta-feira pode mostrar que a avaliação sobre da diretoria e comissão sobre o elenco estava certa. E também provar que o Corinthians não se abalou com o fim da série invicta.