LANCE!
02/06/2016
00:30
São Paulo (SP)

O gol marcado por Giovanni Augusto aos 36 minutos do segundo tempo deu a vitória ao Corinthians em um clássico que Tite considerava "perigoso" nesta quarta-feira, na Arena, contra o Santos. Sem ter comandado treinamentos em campo nesta semana em razão do desgaste dos jogadores após dois jogos 11h, o treinador do Timão disse que projetou a formação alvinegra só depois de Dorival Júnior divulgar como o Santos entraria em campo. E o prêmio pela insistência na ação ofensiva foi o resultado positivo, terceiro do Corinthians de forma consecutiva nesta temporada.

- Quando veio a escalação do Santos nós tentamos projetar, e pelas características dos atletas (do adversário) imaginávamos duas linhas de quatro, ninguém enfiado, mas pegando nossos volantes. Eu disse aos jogadores que abriria linha de passe de zagueiros e teríamos que fazer marcação agressiva na frente, porque o adversário não teria bola aérea e nem velocidade. Então a ideia era buscar retomar a bola no campo adversário. E o resultado premiou essa constância, de 16 finalizações, de 600 passes e do Vanderlei em uma noite feliz. De alguma maneira era um jogo perigoso, e mantivemos o nível de concentração alto para transformar construção em gol - explicou o treinador, de forma tática, como conseguiu a vitória no "duelo de estrategistas" com Dorival Júnior.

A vitória foi a terceira consecutiva do Corinthians no Brasileirão, competição que tinha aberto com um empate sem gols em Itaquera, diante do Grêmio, e uma derrota contra o Vitória na Bahia. Agora com dez pontos, o Timão está em terceiro lugar na classificação, atrás de Grêmio e Internacional, e dificilmente perderá a posição nesta quinta rodada.


O próximo compromisso do Timão agora será no próximo sábado, às 20h30, diante do Coritiba, novamente na Arena Corinthians. Premiada no clássico desta quarta, a equipe segue em casa para buscar mais três pontos e principalmente a manutenção de um retrospecto favorável em Itaquera: 26 jogos de invencibilidade, desde agosto de 2015, sendo 15 nesta temporada. Apesar das marcas positivas em sequência, Tite não muda suas modestas projeções para o Brasileirão.

- Não dá para passar de três jogos e ir do inferno ao céu. Não dá... Deixa construir. Os últimos dez jogos vão mostrar quem disputa a Libertadores, e queremos ficar nesse G6, G5, G7 não sei, esse bloco que se afasta dos outros... Isso que define quem chega na Libertadores ou bate campeão. E quem souber manter a saúde dos atletas, sem machucar, quem conseguir a coordenação.... E hoje (contra o Santos) o pé de pelica, a coordenação do passe, o bom domínio, a bola de precisão, isso se perdeu. Porque jogar duas vezes 11h e o jogo que foi contra o Santos te drena, te absorve. Mas a equipe vai se construindo - disse o técnico.