icons.title signature.placeholder Camilla Mattoso
icons.title signature.placeholder Camilla Mattoso
19/07/2013
12:05

A Fifa anunciou na manhã desta sexta-feira, em coletiva de imprensa em São Paulo, que a venda de ingressos para a Copa do Mundo vai começar no dia 20 de agosto, pelo site da entidade. O ingresso mais barato custa R$ 30 (a meia entrada) para jogos da primeira fase. O jogo de abertura tem bilhetes que variam entre R$ 80 e R$ 990, enquanto a finalíssima tem bilhetes entre R$ 165 e R$ 1880.

Depois da experiência com a Copa das Confederações, a Fifa decidiu aumentar os pontos de retirada das entradas nas cidades-sedes e afirmou que vai haver locais para trocas em todos os aeroportos que vão receber os jogos.



Outra novidade é que os torcedores poderão retirar seus tíquetes a partir da metade de abril, quase dois meses antes do início da competição, o que não pode ser feito neste ano pelo atraso do começo das vendas.

Para os brasileiros, há cerca de 500 mil ingressos com preços exclusivos, os mais baratos da Copa, sendo que 100 mil deles já estão destinados para operários envolvidos nas obras de estádios e para os povos indígenas. Para a compra dos outros 400 mil, estudantes, idosos e credenciados em programas sociais têm prioridade na primeira fase de vendas, que contará com sorteio se necessário.

E MAIS:
> Fifa estuda cortar duas sedes da Copa do Mundo
> Blatter diz que novos protestos podem gerar reflexão na Fifa

De acordo com a entidade máxima do futebol, mais de 3 milhões de entradas vão estar disponíveis para os torcedores do mundo todo para os jogos de 2014 - os brasileiros que não conseguirem comprar ingressos exclusivos também vão ter acesso às outras categorias.

A Fifa fez questão de ressaltar o fato de que a Copa do Mundo no Brasil vai ter o menor preço de tíquetes na história das Copas.

- Eu quero confirmar aqui o que Jérome Valcke falou há alguns dias. Os ingressos para a Copa no Brasil serão os mais baratos da história. Pelo menos de 2002 para cá. Você vai poder comprar um ingresso por R$ 30 e isso nunca aconteceu antes - afirmou Thierry Weil, diretor de marketing da Fifa.

A Fifa anunciou na manhã desta sexta-feira, em coletiva de imprensa em São Paulo, que a venda de ingressos para a Copa do Mundo vai começar no dia 20 de agosto, pelo site da entidade. O ingresso mais barato custa R$ 30 (a meia entrada) para jogos da primeira fase. O jogo de abertura tem bilhetes que variam entre R$ 80 e R$ 990, enquanto a finalíssima tem bilhetes entre R$ 165 e R$ 1880.

Depois da experiência com a Copa das Confederações, a Fifa decidiu aumentar os pontos de retirada das entradas nas cidades-sedes e afirmou que vai haver locais para trocas em todos os aeroportos que vão receber os jogos.



Outra novidade é que os torcedores poderão retirar seus tíquetes a partir da metade de abril, quase dois meses antes do início da competição, o que não pode ser feito neste ano pelo atraso do começo das vendas.

Para os brasileiros, há cerca de 500 mil ingressos com preços exclusivos, os mais baratos da Copa, sendo que 100 mil deles já estão destinados para operários envolvidos nas obras de estádios e para os povos indígenas. Para a compra dos outros 400 mil, estudantes, idosos e credenciados em programas sociais têm prioridade na primeira fase de vendas, que contará com sorteio se necessário.

E MAIS:
> Fifa estuda cortar duas sedes da Copa do Mundo
> Blatter diz que novos protestos podem gerar reflexão na Fifa

De acordo com a entidade máxima do futebol, mais de 3 milhões de entradas vão estar disponíveis para os torcedores do mundo todo para os jogos de 2014 - os brasileiros que não conseguirem comprar ingressos exclusivos também vão ter acesso às outras categorias.

A Fifa fez questão de ressaltar o fato de que a Copa do Mundo no Brasil vai ter o menor preço de tíquetes na história das Copas.

- Eu quero confirmar aqui o que Jérome Valcke falou há alguns dias. Os ingressos para a Copa no Brasil serão os mais baratos da história. Pelo menos de 2002 para cá. Você vai poder comprar um ingresso por R$ 30 e isso nunca aconteceu antes - afirmou Thierry Weil, diretor de marketing da Fifa.