(foto: Reprodução/Instagram)

Por rivalidade entre Corinthians e Santos, Marlone (E) pediu ao irmão empenho extra no duelo (foto: Reprodução)

Olga Bagatini
20/07/2016
06:35
São Paulo (SP)

A Marlon, volante do Gama, não faltarão incentivos para vencer o Santos nesta quarta-feira, pela terceira fase da Copa do Brasil. Além de querer ajudar sua equipe a manter-se invicta contra o Peixe, o jogador conta com o apoio do irmão Marlone. O atleta contou que o meio-campista do Corinthians, seu gêmeo idêntico, quis instiga-lo a derrotar um dos grandes rivais do Timão. 

- Marlone ficou bastante animado quando soube que o Gama ia enfrentar o Santos. Falou que era para a gente dar o máximo, para ganhar. Jogar contra o rival do meu irmão com certeza é uma motivação a mais - contou ao LANCE!. 

Para cumprir o "pedido" de Marlone, o Gama tem a seu favor o retrospecto. A equipe enfrentou o Santos quatro vezes na história, todas pela Série A do Campeonato Brasileiro, e jamais foi derrotada: foram três empates e uma vitória*. O último encontro, em 2002, resultou em empate sem gols. Tal fato tem sido reiterado pelo técnico Reinaldo Gueldini para encorajar o elenco. 

- O treinador tem frisado a invencibilidade nas reuniões. Fala que é um jogo importante, contra um time grande, e também uma boa oportunidade para fazer história.  É um combustível a mais e dá confiança para que a gente possa fazer uma boa partida - avaliou Marlon, que chegou ao Gama no fim de 2015. 

Será o primeiro jogo do Peixe sem Gabigol, Thiago Maia e Zeca, convocados para a Olimpíada. Dorival Júnior também não poderá contar com Renato e Ricardo Oliveira, poupados. Apesar dos desfalques, o técnico do Peixe não subestima o adversário e levará seus titulares para o Bezerrão. 

 A preocupação se deve à falta de informações sobre o adversário, que não conseguiu vaga na Série D do Brasileiro e disputa apenas a Copa do Brasil. Para não perder o ritmo, o Gama vem disputado jogos-treinos e amistosos contra clubes menores do Distrito Federal. Marlon sabe que surpreender o Alvinegro Praiano e manter a invencibilidade não será tarefa fácil, mas está confiante. 

- O Santos tem muitas peças de qualidade, mas o elenco do Gama está muito unido. A gente teve um mês para se preparar e aprimorar a parte física, disputamos amistosos no período. Um vai correr pelo outro e tenho certeza de que será um bom jogo para as duas equipes - projetou o volante. 

Nesta fase da competição, o jogo de volta é imprescindível, mesmo que uma das equipes vença a ida por dois ou mais gols de diferença. Por isso, seja qual for o resultado no Bezerrão, na próxima semana o Gama estará na Vila Belmiro brigando por uma vaga nas oitavas de final da Copa do Brasil. Inspirado pelo irmão, Marlon já convidou Marlone para assistir à partida de perto e até prometeu à reportagem uma homenagem ao gêmeo, caso balance a rede.

- Falei para o Marlone dar um pulinho em Santos, faz tempo que não o vejo. Não sei se vai dar por causa da programação do Corinthians, mas, seria legal se ele pudesse ir me ver. Me espelho muito no meu irmão. Não combinamos nada, mas se eu fizer um gol, vou dedicar a ele - completou o volante. 

Separados no nascimento, irmãos se reencontraram aos 12 anos
Os gêmeos nasceram no dia 2 de abril de 1992. A mãe deles tinha apenas 14 anos e, nova demais para cria-los, entregou os filhos para adoção. Marlon - que na verdade se chama Marlos, mas prefere a primeira opção - foi criado pelos avós maternos no Piauí. Marlone, por sua vez, foi entregue a uma família de amigos e cresceu no Tocantins. Os irmãos só se encontraram pela primeira vez quando tinham 12 anos de idade.

A trajetória de Marlon no futebol é recente. Em 2013, Marlone estava no Vasco e conseguiu um teste para o irmão no Olaria. Foi assim que se tornaram colegas de profissão. Enquanto o meia do Corinthiansjá defendeu clubes como Cruzeiro, Fluminense e Sport, o volante do Gama passou por times de menor expressão, como Madureira, Boa Esporte e Grêmio Barueri. 

*Histórico entre Gama e Santos, segundo o Futpédia
18/08/1999 - 0 x 0 no estádio Mané Garrincha, em Brasília (DF)
04/10/2000 - 2 x 1 no estádio Mané Garrincha, em Brasília (DF)
08/08/2001 - 1 x 1 no estádio Mané Garrincha, em Brasília (DF)
26/09/2002 - 0 x 0 no estádio Bezerrão, em Gama (DF)