RADAR/LANCE!
13/12/2016
18:09
Medellín (COL)

As investigações sobre o acidente que matou grande parte da delegação da Chapecoense, duas semanas atrás, seguem tendo desdobramentos. O ministro da Defesa da Bolívia, Reymi Ferreira, afirmou em entrevista ao programa local Red Uno que a LaMia, empresa responsável pelo voo, tinha como prática realizar viagens com combustível no limite. 

- O grave é que não é a primeira vez (que viajaram com as condições no limite); já fizeram isso ao menos cinco vezes para outros países. O que prova que a empresa LaMia tem seus tentáculos, tem suas influências em outros níveis, em outros países - disse o Ministro, sem revelar quais foram os outros destinos.

As investigações do acidente ainda não foram concluídas, mas a causa mais provável é que tenha sido uma pane seca, gerada pela falta de combustível.

- Há um plano de voo autorizado com 4 horas e 22 minutos com tempo, distância e combustível para 4 horas e 22 minutos - declarou o Ministro, que disse também que os responsáveis pelo aeroporto ou a Administração de Aeroportos Auxiliares de Navegação Aérea (AASANA) poderiam ter evitado a tragédia. 

A aeronave que caiu nas proximidades de Medellín, na Colômbia, na madrugada do dia 28 de novembro, causou a morte de jogadores, membros da comissão técnica e da diretoria da Chapecoense, além de jornalistas e tripulantes da empresa. A Chape iria disputar a final da Copa Sul-Americana diante do Atlético Nacional.