João Carlos Maringá - Na Chapecoense

'Vamos apoiar ao máximo todos da Chapecoense', afirmou Maringá (Foto: Divulgação)

Vinícius Faustini
30/11/2016
13:37
Pato Branco (PR)

A queda do avião no qual estava a delegação da Chapecoense, que matou 71 pessoas e deixou seis feridas, não foi o único baque para João Carlos Maringá nesta semana. Ex-jogador e ex-dirigente do clube, ele contou que soube da tragédia em Medellín em outro momento muito dramático:

- Eu estava velando minha esposa aqui em Pato Branco, desarrumado, quando soube dessa notícia e da tristeza lá de Chapecó. Trabalhei lá de 2011 a 2014, fui vice-presidente, tinha um laço de amizade muito grande, conhecia os jogadores, roupeiro, o (Anderson) Paixão, o (Sandro) Pallaoro era como um irmão para mim - relatou, ao LANCE!.

Graziela Piazza Giovanaz morreu na segunda-feira, em Pato Branco (PR), pouco antes da tragédia de Medellín. O clube catarinense divulgou uma nota de pesar em seu site oficial. Segundo Maringá, após o sepultamento de sua esposa, ele se encaminhará para Chapecó:

- O clima em Chapecó está terrível. Os jogadores viviam seu melhor momento no futebol. Agora, vamos apoiar ao máximo os familiares dos jogadores, da comissão técnica, todos da Chapecoense.

O ex-meia destacou que o legado deixado pela gestão de Sandro Pallaoro, um dos mortos no acidente, deve continuar a ser a tônica da Chape:

- A Chapecoense passou a ter uma diretoria administrativa, tornou-se um clube de médio porte com estrutura muito sólida. Esta semente foi plantada, era um trabalho de união, que buscava sempre o sucesso do clube. Isto fazia com que qualquer atleta jogasse bem com a camisa da Chapecoense. O clube tem todas as condições de se reerguer.