Olga Bagatini
29/10/2016
07:00
São Paulo (SP)

O técnico Caio Júnior guarda uma boa recordação de duelos com o Corinthians. Em março de 2005, pelo jogo de ida da segunda fase da Copa do Brasil, ele comandou o Cianorte na vitória por 3 a 0 sobre o Timão, justamente na estreia de Daniel Passarella no "galático" alvinegro de Tevez e companhia. O Corinthians conseguiu se recuperar no segundo confronto e goleou o adversário por 5 a 1 no Pacaembu. O triunfo histórico, contudo, ficou marcado na memória de Caio. E servirá de motivação para o técnico da Chapecoense reencontrar o Timão neste sábado, às 16h30 (de Brasília), em Itaquera. 

- Aquele jogo foi histórico porque era a estreia do Passarela, eram os Galáticos do Corinthians, e eu ainda estava começando minha carreira. Nosso time surpreendeu. O primeiro jogo foi em Maringá, nós fizemos 3 a 0 ainda no primeiro tempo e era para ter feito mais no segundo. Foi um jogo taticamente bom, surpreendemos o Corinthians. Eles obviamente não esperavam perder para nós - contou Caio Júnior em entrevista ao LANCE!.

Os gols do Cianorte no primeiro duelo foram marcados por Edson e Márcio Machado (2). Na volta em São Paulo, Tevez abriu o placar aos 11 do primeiro tempo. Édson Santos empatou em seguida e deu esperança ao Cianorte, mas  Roger (2), Tevez novamente e Gustavo Nery balançaram a rede e classificaram o Corinthians. O clube alvinegro acabou eliminado na terceira fase pelo Figueirense, mas fechou o ano sendo campeão brasileiro. 

- No jogo de volta, a gente botou tudo a perder porque o jogo se tornou uma final, uma guerra. Ficou três semanas na mídia, exploraram muito. O jogo no Pacaembu foi uma loucura, tinha gente fora do estádio, uma pressão enorme. Suportamos até o final. Aos 34 do segundo tempo tomamos o quinto gol e o Corinthians se passou de fase - lembrou o técnico.

Quem também estava no jogo é o goleiro Danilo. À época com 20 anos, a cria da base do Cianorte ficou no banco de reservas e não esconde a frustração com o resultado do jogo de volta. 

- Eu estava começando minha carreira. A vitória foi fantástica, mas a reversão do resultado foi um passo ruim para o clube, para os jogadores, para todo mundo. Jogar contra o Corinthians não é fácil, em Itaquera é pior ainda, mas a Chapecoense precisa buscar esses pontos porque nada está decidido no Brasileiro - afirmou o jogador, que ficou próximo a ser contratado pelo Timão no fim de 2015, mas foi impedido devido a uma briga política resultante da saída de Mario Gobbi da presidência. 

Danilo ainda era jovem, mas a vitória serviu para dar projeção à carreira de Caio Júnior. Ele passou pelo Paraná e chegou ao Palmeiras - por onde também venceu três clássicos contra o Corinthians, um pelo Campeonato Paulista (3 a 0) e dois pelo Brasileiro (ambos 1 a 0), em 2007. Do verdão, rumou para clubes como Flamengo, Botafogo e Grêmio. Na Chape desde julho e responsável pela classificação do Verdão às semifinais da Copa Sul-Americana, o técnico espera o resultado positivo para levar o time a 45 pontos (atualmente soma 42, em 12º lugar) e eliminar o risco matemático do rebaixamento. No entanto, ele crê que uma vitória na Arena não seria tão surpreendente quanto a de 2005.  

- A Chapecoense não é mais surpresa. Temos conseguido bons resultados contra os grandes. Nosso time é experiente, que não se impressiona facilmente, já tem certa maturidade. A prova disso é a campanha na Sul-Americana - disse.

O clube de Santa Catarina precisou superar obstáculos para chegar à semifinal. Eliminou o Independiente nas oitavas de final, com direito a quatro defesas do goleiro Danilo na disputa de pênaltis, e reverteu o placar contra o Junior Barranquilla nas quartas. Após derrota por 1 a 0 na Colômbia, a Chape venceu por 3 a 0 na Arena Condá, na última quarta-feira, e ficou a um passo da decisão pela primeira vez na história. 

Embora preocupado com o torneio continental, o técnico Caio Júnior garantiu que não irá poupar titulares no Brasileiro até atingir sua meta de pontos e assegurar o time na primeira divisão em 2017.

- Eu estava preocupado com a recuperação dos jogadores (após a vitória sobre o Barranquilla), mas eles tiveram uma resposta muito positiva. Não vou poupar jogador que tem condição. Nós ainda não alcançamos nosso objetivo no Brasileiro, não podemos deixar para o final. Teremos um jogo dificílimo contra o Corinthians, e, se não conseguirmos agora, vamos deixar para o próximo jogo. Infelizmente esse é nosso dilema, o ideal seria focar só na Sul-Americana, mas por enquanto não dá. Nosso principal objetivo é ficar na elite - resumiu o treinador, ecoado pelo goleiro. 

- Temos que acreditar como o Cianorte acreditou também. Nada é impossível, o Corinthians é forte dentro de casa, mas nosso time vem de uma sequência boa, jogando bem. Vamos buscar esses três pontos o mais rápido possível para ter tranquilidade de focar na Sul-Americana - completou Danilo.

Com força máxima em Itaquera, resta saber se Caio Júnior e Danilo terminarão o dia colecionando mais uma memória feliz contra o time do Parque São Jorge.