Thiago Ferri
29/08/2016
21:16
São Paulo (SP)

Flamengo e Palmeiras serão julgados nesta quinta-feira em última instância pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). Os clubes estão na pauta pelos incidentes ocorridos entre as torcidas em Brasília (DF), no jogo do primeiro turno, e a decisão pode influenciar o local do confronto entre os dois times, hoje líder e vice-líder do Brasileiro, marcado para o dia 14 de setembro.

A princípio, o jogo será no Allianz Parque. O julgamento acontece no dia 1º, e a próxima partida do Verdão como mandante será contra o São Paulo, dia 7, em sua arena. Para este jogo, 11 mil ingressos já foram vendidos de forma antecipada nesta segunda. O Flamengo, no mesmo dia, receberá a Ponte Preta, a princípio, em Cariacica (ES). O próximo jogo do Fla como mandante será no dia 18, contra o Figueirense, em local a definir.

Caso o STJD puna o Verdão com um jogo de portões fechados, a sentença valeria para o Choque-Rei, mas como já se iniciou a venda de ingressos pode haver confusão. Por isso, neste caso não estaria descartado que a pena fosse paga no jogo seguinte como mandante, o do Flamengo.

Se o gancho for pela perda do mando de campo, com certeza a primeira partida como punição seria contra o Flamengo. Há ainda a possibilidade de que o STJD aplique punições alternativas, que não influenciem nos mandos.

ENTENDA O CASO

O STJD puniu em junho Flamengo e Palmeiras pela briga entre seus torcedores no jogo no estádio Mané Garrincha, em Brasília, no primeiro turno. O Verdão foi punido com a perda de um mando de campo, além de ter de jogar esta partida com portões fechados. O clube ainda tomou multa de R$ 80 mil. O Flamengo foi multado em R$ 50 mil e perdeu um mando, mas sem os portões fechados. O jogo era de mando rubro-negro, mas o tribunal aplicou a pena mais severa ao Verdão por considerar que a torcida visitante iniciou a briga.

Os clubes entraram com recurso (o Palmeiras iria pagar a pena contra o Santa Cruz, mas preferiu recorrer, enquanto o Fla aceitou o gancho e fez o Fla-Flu na Arena das Dunas, em Natal), e durante o processo a Procuradoria do STJD pediu aumento da pena para cinco jogos com portões fechados para cada time, além de multa de R$ 100 mil.