RADAR / LANCE!
27/06/2016
13:58
Rio de Janeiro (RJ)

Em um Brasileirão marcado por suas idas e vindas na classificação, o inusitado cada vez mais surge nos gramados do país afora. Enquanto alguns resultados surpreenderam, a 11ª rodada trouxe uma série de situações para lá de inusitadas.

Entre muitas emoções, trapalhadas, e gente que tentou sair bem na foto, o LANCE! enumera abaixo outras curiosidades do Brasileirão.

MAL NA FOTO...

A imagem da torcida do Palmeiras saiu bem arranhada do Mineirão. Após a derrota por 2 a 1 para o Cruzeiro, um grupo de torcedores brigou entre si e, na confusão, quebrou cadeiras no estádio. Policiais recorreram a bombas de efeito moral, e a explosão feriu uma adolescente. 

EXPLODE, CORAÇÃO!

As lágrimas marcaram o gol de Luciano na vitória do Corinthians sobre o Santa Cruz. Após findar um jejum que carregava desde agosto de 2015, o atacante ajoelhou no gramado da Arena Corinthians e caiu em prantos para comemorar a abertura do placar.

VAI QUE É SUA, CÁSSI... OPA!

Porém, o triunfo corintiano quase foi atrapalhado por Cássio. Ao receber uma bola recuada, o camisa 1 viu a bola escapulir de seu pé e sobrar para Arthur, que calmamente serviu o centroavante do Santa Cruz, Grafite.

ROUBARAM A CENA

Não foi apenas o sol que esquentou a vitória do Atlético-MG sobre o América-MG, por 1 a 0. Irritado com as provocações de Borges, o zagueiro atleticano Leonardo Silva foi até o apito final batendo boca com o centroavante. Antes que a cena ganhasse desdobramentos mais fortes, o árbitro distribuiu cartões amarelos.

O FOCO É NELE

O árbitro Ricardo Marques Ribeiro foi, literalmente, o centro das atenções na reta final da partida do Barradão. Após anular um gol de Dagoberto aos 50 minutos, por entender que o atacante teria ajeitado com o braço antes de estufar a rede da Ponte Preta, o juiz foi cercado pelos jogadores do Vitória. Porém, nem mesmo as reclamações fizeram ele voltar atrás e mudar o destino do 1 a 1.

SÃO TANTAS EMOÇÕES!

O Fla-Flu viu uma série de emoções passear na Arena das Dunas. O rubro-negro Rafael Vaz calculou errado um recuo de bola e a deixou limpa para Richarlison invadir a área e marcar seu primeiro gol no tricolor. Na comemoração, o atacante, que saiu do banco de reservas, desabou e não conteve as lágrimas.

SAN-SÃO DA PAZ... NO PAPEL!

A iniciativa de promover a paz entre Santos e São Paulo, a ponto de as duas delegações chegarem ao Pacaembu no mesmo ônibus, só ficou no papel. As entradas ríspidas, as discussões acirradas (entre jogadores e até nos bancos de reservas) tomaram conta do clássico, vencido por 3 a 0 pelos santistas.

BOLA DO DENIS... IH, ESCAPOU!

O São Paulo viu sua chance de vencer o clássico escorrer pelos dedos já nos primeiros minutos. Após cabeçada de Thiago Maia, Denis viu a bola escapar de sua mão e ficar à feição para Victor Bueno balançar a rede.

REVIU O GOL, DANÇOU!

A rapidez com a qual aconteceram alguns gols do clássico entre Botafogo e Internacional foi tamanha que comprometeu até a transmissão de televisão. Enquanto a TV exibia o replay do terceiro gol alvinegro, o Colorado estufava a rede para marcar seu segundo no revés sofrido por 3 a 2, no Beira-Rio.

ESSE TEM A BOLA DO JOGO!

Sem dúvida, a vitória do Atlético-PR sobre o Grêmio, por 2 a 0, rendeu mais situações surreais. Após o gremista Luan mandar para longe uma chance, um torcedor do Furacão foi flagrado tirando uma "selfie" com... a bola! 

FOI GOL DO ATLÉTICO-PR... PERAÍ, NÃO, NÃO!

A arbitragem também ficou mal na foto durante a partida na Arena da Baixada. O árbitro Wagner Reway confirmou um gol de Pablo mas, após um certo tempo e conversa com assistente, reviu o conceito e anulou a jogada por impedimento.

FURACÃO DÁ SAMBA

A alternativa do Atlético-PR para compensar a ausência das organizadas - devido à ruptura da atual diretoria - foi para lá de inusitada. Na Arena da Baixada, uma escola de samba garantiu que a torcida mantivesse o ritmo de apoio à equipe.

MAUS TRATOS À BOLA

Os erros dominaram o empate entre Figueirense e Coritiba. Em uma partida de doer os olhos, as duas equipes não só saíram do 0 a 0, como erraram a pontaria o tempo todo (a chance mais clara foi a de Leandro, carimbando a trave diante de um Gatito Fernández caído).

BOTA GELO NISSO!

A tentativa de reação da Chapecoense diante do Sport foi parada por uma ducha muito gelada. Após igualar o marcador a um minuto do segundo tempo na Ilha do Retiro, a equipe tomou gols leoninos aos oito, aos 11 e aos 18. E ainda tomou o quinto aos 32.