RADAR / LANCE!
05/08/2016
13:55
Rio de Janeiro (RJ)

Não é só o revezamento eletrizante nas primeiras colocações que marca o fim do Primeiro Turno do Brasileirão. Mesmo com a liderança tendo mudado de mãos novamente, a 18ª rodada continuou a trazer um festival de situações curiosíssimas por gramados do país afora.

Entre substituição a contragosto, um exótico "protesto em silêncio" promovido por organizada e muitas doses de reclamação, o LANCE! traz o que deu que falar em campo nos nove jogos disputados na rodada (a partida entre Fluminense e Figueirense foi transferida para 3 de setembro).

A DANÇA DO PASSINHO

O goleiro João Ricardo pareceu não saber que rumo tomar na reposição de bola do América-MG. Após olhar para um lado e para o outro, o camisa 1 fez o árbitro Heber Roberto Lopes perder a paciência, dar cartão amarelo e marcar falta técnica por "sobrepasso", no empate em 1 a 1 com o Sport, na Ilha do Retiro.

ACERTOU O ALVO... MAS PARA O ADVERSÁRIO!

A agonia do Coritiba na luta contra o rebaixamento rendeu até um golaço... pena que foi contra! Ao tentar cortar um cruzamento, o zagueiro Juninho mandou a bola por cobertura e encobriu o goleiro Wilson na derrota por 3 a 1 para o Vitória.

QUEM LEVA A MELHOR?

Uma queda de braço diretoria do Atlético-PR deu o que falar em meio à vitória por 2 a 0 da equipe, que tirou o Corinthians da liderança, deu o que falar... mas de forma tortuosa. A Arena da Baixada tinha cartazes espalhados com frases da diretoria do Furacão, com o apelo "Atleticano de verdade, 40k já", em referência ao apelo por ter 40 mil sócios. Na mesma partida, integrantes da facção decidiram ficar em silêncio em boa parte do duelo na Arena da Baixada mas, aos poucos, voltaram a cantar. 

PEIXE DE BRAÇO COM A LIDERANÇA... E COM A DISCÓRDIA!


O Santos terminou a rodada na ponta por uma braçada, mas viu o braço de Caju dar o que falar. Após cabeceio de Fernandinho, a bola bateu no lateral e o árbitro mandou seguir o jogo, que terminou em 0 a 0. O lance rendeu reclamação do presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, que disse que as arbitragens "tiraram a liderança" da equipe.

PERAÍ, EU VOLTO... QUER DIZER, EU QUERIA VOLTAR!

Não era noite de Canales mostrar serviço no Botafogo. Após deslocar o ombro em um choque com Fábio Ferreira, da Ponte Preta, o argentino se tratou na beira de campo, conseguiu se recuperar e pediu para voltar... Mas já era tarde: Vinícius Tanque entrara em seu lugar no Moisés Lucarelli, no início da partida em que o Alvinegro perdeu por 2 a 0.

É TUA VEZ... DE OLHAR A PONTARIA DE NOVO!

A nova chance de Negueba comprovar que podia substituir Giuliano no Grêmio se esvaiu por alguns metros. No rebote de falta cobrada por Bolaños, o meia-atacante se posicionou em meio à zaga do Santa Cruz e, com o gol vazio, acertou... a placa de publicidade. O empate em 0 a 0 frustrou mais uma vez a torcida gremista.

PERDEU A HORA, COLORADO?

A ansiedade em mostrar que passou da hora do Internacional reagir em campo no Brasileirão ganhou um sentido literal... e de uma forma lamentável. Irritado com a derrota por 4 a 2 para o Cruzeiro, um torcedor atirou um relógio no campo do Independência. O quarto árbitro, Emerson de Almeida Ferreira, relatou na súmula.

BRONCA DAQUI, BRONCA DE LÁ!

A reclamação com a arbitragem de Wilton Pereira Sampaio teve duas faces no empate entre Chapecoense e Palmeiras. Ao fim do empate em 1 a 1, na Arena Condá, Jean disse que Kempes marcou um gol em impedimento. Já Gil questionou o pênalti marcado sobre Cleiton Xavier nos últimos minutos (Jean converteu a cobrança).