Marcelo Oliveira, técnico do Atlético-MG (Foto: Bruno Cantini/Atlético-MG)

Treinador não aprovou a postura atleticana no Couto Pereira (Foto: Bruno Cantini/Atlético-MG)

RADAR/LANCE
06/11/2016
22:56
Belo Horizonte (MG)

Marcelo Oliveira não gostou nada do que viu na apresentação do Atlético-MG nesta noite de domingo. Além de acompanhar a derrota por 2 a 0 para o Coritiba, o treinador ainda viu seus comandados terem uma atuação bastante abaixo do esperado. Improdutivo durante praticamente todo o jogo, o Galo mal agrediu a meta do goleiro Wilson, o que incomodou bastante seu comandante. Em sua entrevista coletiva, Marcelo citou a sensação de indignação que ficou após a derrota fora de casa.

- Indignação total no final, nós tínhamos hoje uma oportunidade de passar o Flamengo, de encostar novamente. Não teria facilidade aqui, só que nós rendemos muito pouco em relação à expectativa que tínhamos para buscar a vitória. Ficamos muito com a bola, mas fomos muito passivos para atacar. Foi realmente um jogo muito ruim do Atlético, temos que nos cobrar mais, temos uma decisão pela frente. Agora fica mais difícil, quase impossível o título, mas temos que lutar para ficar próximo dos primeiros colocados – comentou o treinador.


Em caso de Vitória, o Galo passaria o Flamengo no saldo de gols e recuperaria a terceira colocação que ocupou por muitas rodadas. Sem o triunfo, o Atlético não só permanece no quarto lugar, como fica a dez pontos do líder Palmeiras, faltando apenas mais 12 pontos até o final do campeonato.

- Não deve ter influenciado (os outros resultados). Independente do Palmeiras, estamos lutando pelo G-3. Isso foi comentado ontem, hoje, foi cobrado por todos. O Coritiba tem méritos, lutou muito e fez um gol espetacular, sem chances de defesa. Mas um clube igual o Atlético, com nosso trabalho no dia a dia, não poderia pensar dessa forma, mesmo que seja uma situação inconsciente – completou, reconhecendo que a proximidade com o fim do campeonato e a distância para os primeiros colocados tenha provocado um pouco de comodismo do time no Brasileirão.