Léo Saueia
06/11/2016
13:07
São Paulo (SP)

Adiamento de jogo, ameaça de não entrar em campo, protesto contra a CBF no uniforme... O Santos tinha ingredientes de sobra para se motivar e vencer a Ponte Preta em Campinas e o conseguiu de forma heroica. Com o gol da virada saindo aos 43 do segundo tempo, o Peixe conquistou o placar de 2 a 1 e segue sonhando com o título. Agora a equipe esta a seis pontos do líder Palmeiras, que derrotou o Internacional mais tarde, no Allianz Parque, por 1 a 0. Restam quatro rodadas para o fim da competição. 

Preparado para atuar inicialmente às 21h de sábado, o Peixe não demonstrou sentir o baque com o novo horário e começou mandando no jogo. Com Vitor Bueno de volta, a equipe de Dorival Júnior tinha a bola e ameaçava pelas laterais. O problema, contudo, era a falta de infiltração na área.

Mas na primeira chance da Ponte, aos 21 minutos, David Braz cometeu pênalti infantil em Wendel e William Pottker converteu seu 12º gol no Brasileirão - e ele está a um do líder da disputa, o atleticano Fred. O gol murchou o Santos, que além de perseguir o Palmeiras, perseguia também o empate. Mas quem teve outra chance foi Maycon, volante formado no Corinthians, que parou em Vanderlei.

Para a segunda etapa, Dorival ousou e apostou em Yuri no lugar de Noguera para melhorar a saída de bola. E passou a dar certo no decorrer do jogo. Victor Ferraz foi "sacrificado" para que o lado esquerdo funcionasse com Yuri, Zeca e Copete.

O colombiano, aliás, perdeu enormes chances. A primeira ainda com o Peixe atrás do placar quando furou uma bola dentro da pequena área. Em sequência, Léo Cittadini entrou na vaga do cansado Vitor Bueno e mudou o jogo. Foi o nome do Santos. Herói improvável.

O camisa 29 invadiu a área em seu primeiro lance e bateu cruzado, Aranha espalmou e Ricardo Oliveira empatou. Era a chama da esperança da virada reacendendo. Antes, porém, Copete ainda perderia mais chances. Uma cabeçada na trave e um chute de dentro da área defendido pelo goleiro da Ponte.

A Macaca não passava do meio-campo e o Santos se lançou com tudo. Arthur Gomes, atacante da base, fez estreia com personalidade. E aos 43 da etapa final veio o grito de alívio da torcida inflamada no Moisés Lucarelli. Léo Cittadini - de novo ele! -, recebeu na entrada da área e deu um toque sutil por cima de Aranha e Copete, quase dentro do gol, só empurrou para a rede.

Antes apenas um sonho, o título já pode ser tratado como realidade. A vice-liderança já veio e a diferença para o líder Palmeiras diminui. À torcida, não resta outra alternativa a não ser crer e empurrar. O campeonato está aberto. Façam suas apostas. 

O Peixe voltará a campo apenas no dia 17, uma quinta-feira, contra o Vitória, às 19h30, na Vila Belmiro. A Ponte Preta jogará às 21h do mesmo dia, contra o Internacional, no Beira-Rio, em Porto Alegre. 

FICHA TÉCNICA
PONTE PRETA 1 X 2 SANTOS


Local: Moisés Lucarelli, em Campinas (SP)
Data-hora: 6/11/2016, às 11h
Árbitro: Braulio da Silva Machado - SC (ASP-FIFA)
Auxiliares: Neuza Ines Back - SC (FIFA) e Alex dos Santos - SC (CBF-1)
Público: 10.208 pessoas
Cartões amarelos: David Braz (SAN)
Gols: Pottker 21'1ºT (1-0) (pênalti); Ricardo Oliveira 21'2ºT (1-1) e Copete 43'2ºT (1-2)

PONTE PRETA: Aranha; Nino Paraíba, Douglas Grolli, Antonio Carlos e Reinaldo; João Vitor (Abuda, intervalo), Wendel (Thiago Galhardo, 26'2ºT); Rhayner, Maycon (Elton 12'2ºT) e Clayson; Pottker. Técnico: Eduardo Baptista

SANTOS: Vanderlei; Victor Ferraz, David Braz, Noguera (Yuri, intervalo) e Zeca; Thiago Maia e Renato; Jean Motta (Arthur Gomes 37'2ºT), Vitor Bueno (Léo Cittadini 20'2ºT) e Copete; Ricardo Oliveira. Técnico: Dorival Júnior