Valdomiro Neto
01/08/2016
06:20
São Paulo (SP) 

Equilíbrío é a tônica do Brasileirão 2016. A rodada do fim de semana deixou a diferença do novo líder Corinthians para o sexto colocado Atlético-MG em míseros quatro pontos. Para se ter uma ideia, em 2009, edição que teve a reta final mais emocionante na era dos pontos corridos, à essa altura a distância do primeiro colocado Palmeiras para o sexto Avaí era mais que o dobro, de nove pontos.

O principal fator a permitir esse panorama foi a queda de rendimento do Palmeiras após a ida de Gabriel Jesus para a Seleção olímpica. A equipe perdeu dois jogos seguidos e viu a aproximação de rivais. O Santos, que sofreu sangria de convocados ainda maior que a do Verdão, teve aproveitamento oposto e venceu as duas partidas. No domingo, o agora vice-líder sofreu contra o Cruzeiro na estreia de Mano Menezes, mas venceu. Já o Corinthians insiste em driblar a desconfiança. Mesmo que o Inter viesse de série terrível, com apenas dois pontos em 24 disputados, o triunfo no Beira-Rio ratificou a competitividade do grupo de Cristóvão.

O Grêmio decepcionou ao parar no lanterna América-MG, que não pontuava há oito rodadas. Assim, sente Flamengo e Atlético-MG fungarem ávidos no seu cangote. O time rubro-negro venceu o Coritiba fora de casa, ao passo que os mineiros, com seu elenco estelar para os padrões nacionais, atropelou o Santa Cruz.

As duas rodadas que encerrarão o turno acontecem nesta semana e o sexteto briga pelo título simbólico, que também dá o troféu Osmar Santos, concedido por este LANCE! Desde que o prêmio foi instituído, em 2004, apenas três vezes o vencedor não ficou com o título nacional, o que dá uma ideia do estofo que dá ser primeiro nesta etapa.

Para além disso, há a briga contra o rebaixamento. O Botafogo conseguiu fôlego ao derrotar o Palmeiras. O Cruzeiro segue penando e tem as companhias de Santa Cruz, Coritiba e América na zona da degola. Mas a disputa, assim como na parte de cima, também está renhida. É muito equilíbrio!