Valdomiro Neto
16/09/2016
08:20
São Paulo 

No Brasileirão, a distância entre o líder Palmeiras e o quinto colocado Corinthians, que se enfrentam neste sábado, em Itaquera, é igual ao número de confrontos diretos que ainda acontecerão entre os candidatos ao título: sete. São sete pontos e sete "finais". Eis uma espécie de número mágico de momento para representar o extremo equilíbrio da competição deste ano. 

Ainda serão jogadas 13 rodadas, um total de 39 pontos. Para se ter uma ideia da monta que é isso, basta dizer que a Ponte Preta, sexta colocada, acumula 38. É muita coisa por disputar diante de intervalos tão curtos entre os primeiros da tabela. Palmeiras e Flamengo, na última quarta, foi apenas um aperitivo de choques entre os postulantes. O Dérbi deste fim de semana será mais um.

No caminho para sustentar a liderança e conquistar o título após 22 anos, o Palmeiras terá que encarar não só o Corinthians como visitante, mas também Santos e Atlético-MG. O time mineiro ainda irá enfrentar o Flamengo em Belo Horizonte e o Corinthians na capital paulista. E estes dois últimos se enfrentarão com o Fla tendo o mando de campo, situação que se repetirá para os cariocas diante do Santos.  (veja na galeria acima a data dessas "finais"). 

A maratona de rodadas que tivemos nos últimos dias  mostrou como a oscilação é insana no futebol brasileiro. O Santos, dado como morto semana passada, ao perder para o Inter, emendou duas vitórias seguidas e rearrumou-se na briga. O Corinthians, por sua vez, perdeu o clássico justamente para o Santos, empatou com o Coritiba e foi expelido da zona de classificação para a Libertadores. O Galo, em quatro dias, perdeu uma, ganhou outra e segue varejando no reduto da dupla Palmeiras e Flamengo.

É possível que a 26ª rodada venha a clarear um pouco as coisas. O Corinthians, por exemplo, terá perspectivas reduzidas se não sair vencedor do Dérbi. Não só porque terá perdido a chance de reduzir a diferença de pontos como acentuará a desconfiança sobre a atual equipe e o técnico Cristóvão Borges. Em outro clássico estadual, o Galo, diante do Cruzeiro, poderá estancar a irregularidade e acender o farol para os ponteiros. E os outros dois postulantes jogarão no mesmo estádio no domingo, o Flamengo pela manhã, o Santos no fim de tarde, no Pacaembu.

A essa altura, em 2015, o Corinthians liderava com folga de nove pontos para o terceiro colocado Grêmio. Ou seja, já se sabia que dificilmente a briga deixaria de ficar restrita a Timão e Atlético-MG, o vice-líder. Um quadro bem diferente acontece agora, por isso o Brasileirão ganhou em emoção se comparado ao ano passado. Quando o Corinthians fez 3 a 0 nos mineiros, na 33ª rodada, o destino estava praticamente selado. É difícil imaginar que essa precocidade se repita na atual edição. É mais cabível apostar que teremos roteiro parecido com o de 2009, quando quatro disputaram o título até a última rodada.