Coronel Marinho é o novo presidente da comissão de arbitragem (Foto: Lucas Figueiredo/CBF)

Coronel Marinho é o novo presidente da comissão de arbitragem (Foto: Lucas Figueiredo/CBF)

Igor Siqueira
29/09/2016
14:57
Rio de Janeiro (RJ)

A CBF estreou nesta quinta-feira um novo procedimento para o sorteio de arbitragem. A nova modalidade serviu para definir a escala de árbitros para os jogos da Série B.

No novo desenho do sorteio, a entidade define 15 árbitros - os considerados melhores disponíveis para a rodada em questão. Ao mesmo tempo, ela seleciona outros cinco para ficarem de suplentes, caso haja qualquer problema eventual após o sorteio.

Antes de definir quem apita qual jogo, a CBF numera os confrontos da rodada - no caso da Série B, de 1 a 10. Cada árbitro também tem um número, de 1 a 15, definido por ordem alfabética.

A partir daí, quatro árbitros são sorteados para cada partida, sendo alocados em colunas de 1 a 4. Então, um número (de 1 a 4) é sorteado e quem estiver na coluna correspondente apitará o jogo. Os árbitros não sorteados voltam ao globo e podem apitar algum jogo subsequente.

Há casos em que os árbitros não podem entrar nas colunas de determinados jogos. Um exemplo ocorrido nesta quinta-feira foi que André Luiz Castro, de Goiás, foi descartado ao ser sorteado para entrar na concorrência pelo jogo do Atlético-GO por ser do mesmo estado que o Dragão.