Galvão Bueno

Distribuição das cotas de TV e horário de jogos são criticados por analista do LANCE! (Foto: Reprodução)

Amir Somoggi*
18/05/2016
16:28
Rio de Janeiro (RJ)

A consolidação de um monopólio da Rede Globo nos direitos de transmissão de futebol brasileiro ocorre especialmente por uma falha de mercado brasileiro. Não há nenhuma outra emissora no país com estrutura para dar uma plataforma tão ampla quanto a Vênus Platinada, que disponibiliza TV aberta, canais por assinatura com pay-per-view e conteúdo para Internet e mobile.

Por mais que emissoras tenham interesse em quebrar esta exclusividade, como é o caso recente do Esporte Interativo, o mercado brasileiro ainda é muito escasso em termos de estrutura. Porém, a Rede Globo precisa rever uma série de conceitos quanto a seus contratos. 

As cotas de TV foram distribuídas de maneira completamente desigual. Por mais que seja necessária uma disparidade dos clubes, por terem maior demanda, maior audiência e melhor colocação, os níveis atuais do futebol brasileiro estão alarmantes.

Há outro tema no qual a Rede Globo tem de rever seus conceitos: não houve a evolução quanto ao horário dos jogos de meio de semana. Com um jogo às 22h, expõe o risco de torcedores que vão aos estádios não terem acesso para voltar. É muito mais importante a emissora adequar sua programação à rotina de futebol, e não forçar os jogos a se adaptarem à sua rotina. Caso contrário, a cada ano teremos competições vazias de público, o que enfraquece ainda mais o produto oferecido.  

*Amir Somoggi é consultor de marketing e gestão esportiva, e especialista em Análise Financeira da Academia LANCE!