Criciúma x Botafogo (Foto: Guilherme Hahn/AGIF)

O Glorioso não segurou o Criciúma, fora de casa, em Santa Catarina, neste sábado  (Foto: Guilherme Hahn/AGIF)

Alexandre Araújo
08/11/2015
11:10
Rio de Janeiro (RJ)

Mais uma daquelas partidas que corroboram com a máxima de que há coisas que só acontecem com o Botafogo. Era vencer e dar um fim à expectativa da torcida quanto ao retorno à Série A, colocar um ponto final em uma temporada que torcedor algum do Alvinegro gostaria de estar passando. Mas foi por pouco. O grito de gol e o alívio definitivo, primeiramente, pararam na trave. Poucos depois, nas duas traves! Autor dos lances, Ronaldo se ajoelhou após ver a bola carimbar os postes e chegar às mãos do goleiro Luiz. Se ajoelharam também os torcedores, incrédulos com o capricho do destino e, talvez, pedindo forças para que a vitória viesse, concretizando o adeus à Segundona.

Foram alguns “quases” durante todo o jogo, literalmente. Até os minutos finais, oportunidades não faltaram. Porém, de nada adiantou. Pelo contrário, ainda houve um balde de água fria quando, sozinho na área, Maurinho bateu com tranquilidade para fazer o gol do triunfo do Criciúma, gol que adiou a festa do Botafogo.

A mesma bola que insistiu em não entrar de um lado, encontrou a rede com certa facilidade do outro. Parece mesmo que há coisas que só acontecem ao Botafogo. O apito final foi o início da comemoração do Tigre, que em situação bem diferente, luta contra o rebaixamento.


Com um primeiro tempo muito bom, não é exagero afirmar que o acesso esteve nas mãos do alvinegro. No segundo tempo, porém, o time mostrou as fragilidades que vem apontando durante todo o ano, com o setor defensivo cometendo erros básicos e sendo salvo por Jefferson. Mas ontem não deu. O santo do Criciúma foi mais forte.
O coração em que bate a Estrela Solitária ainda terá mais um teste pela frente. Que desta vez, ele pulse de alegria, sabendo que poderá ficar mais tranquilo, torcendo pelo título e dias melhores.