icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
29/08/2015
19:03

Foram apenas dois jogos, mas o início de segundo turno do Botafogo tem se caracterizado por um roteiro completamente oposto ao da metade inicial da competição. Nesses primeiros 180 minutos, o Alvinegro retribuiu os pontos que havia tomado dos adversários.

Contra o Paysandu, na estreia, o então time comandado por René Simões venceu fora de casa por 1 a 0. Já no returno, derrota para o mesmo Papão (3 a 2), desta vez sob a batuta de Ricardo Gomes e no Estádio Nilton Santos.

O "saldo" foi o mesmo no confronto com o CRB. Quando enfrentou a equipe alagoana em seu próprio território na sequência do triunfo sobre os paraenses, o Bota goleou por 4 a 1. Entretanto, na última sexta-feira, em seu segundo compromisso pelo returno, o Glorioso saiu de campo sem pontuar no Rei Pelé: 2 a 1 para os oponentes.

Sexta, no Rio, o rival será o Atlético Goianiense. Caso o roteiro insista em não se repetir, uma coisa já é certa: empate, como 0 a 0 ocorrido em maio, passa a ser resultado descartado na lógica alvinegra. Resta saber se a igualdade se transformará em triunfo ou revés para o time da estrela solitária. Os botafoguenses esperam que a primeira opção prevaleça no Niltão.

Foram apenas dois jogos, mas o início de segundo turno do Botafogo tem se caracterizado por um roteiro completamente oposto ao da metade inicial da competição. Nesses primeiros 180 minutos, o Alvinegro retribuiu os pontos que havia tomado dos adversários.

Contra o Paysandu, na estreia, o então time comandado por René Simões venceu fora de casa por 1 a 0. Já no returno, derrota para o mesmo Papão (3 a 2), desta vez sob a batuta de Ricardo Gomes e no Estádio Nilton Santos.

O "saldo" foi o mesmo no confronto com o CRB. Quando enfrentou a equipe alagoana em seu próprio território na sequência do triunfo sobre os paraenses, o Bota goleou por 4 a 1. Entretanto, na última sexta-feira, em seu segundo compromisso pelo returno, o Glorioso saiu de campo sem pontuar no Rei Pelé: 2 a 1 para os oponentes.

Sexta, no Rio, o rival será o Atlético Goianiense. Caso o roteiro insista em não se repetir, uma coisa já é certa: empate, como 0 a 0 ocorrido em maio, passa a ser resultado descartado na lógica alvinegra. Resta saber se a igualdade se transformará em triunfo ou revés para o time da estrela solitária. Os botafoguenses esperam que a primeira opção prevaleça no Niltão.