Ribamar - atacante do Botafogo (Foto: Vinícius Britto/LANCE!Press)

Ribamar durante coletiva nesta segunda-feira (Foto: Vinícius Britto/LANCE!Press)

Vinícius Britto 
25/04/2016
17:34
Rio de Janeiro (RJ)

A ascensão de Ribamar no Botafogo é meteórica. Da Copa São Paulo de Futebol Júnior, em janeiro, para a decisão do Campeonato Carioca em março. E o atacante ainda demonstra a timidez comum ao jovem de 18 anos que ganha os holofotes após decidir o clássico contra o Fluminense, na semifinal, e classificar o Alvinegro para a final contra o Vasco, no Maracanã.

- É uma experiência nova e, com o tempo, eu vou me acostumando com esse assédio - disse, com certa timidez, o novo xodó do Botafogo.

No último domingo, ele ficou em evidência após marcar o seu terceiro gol como profissional. E todos contra o mesmo rival: o Fluminense. Ele falou sobre a emoção em poder estar decidindo um clássico, admitiu que não dormiu direito e evitou a alcunha de "Carrasco" do Tricolor das Laranjeiras: 

- A adrenalina foi muito alta depois do jogo. Ainda mais depois de ter feito o gol. Fiquei emocionado e foi muito importante. Fui dormir muito tarde.

- A oportunidade tem aparecido com o Fluminense e eu tenho dado "sorte". Sobre carrasco, não sei. Melhor perguntar para eles - completou, de forma séria, o centroavante de 18 anos.

Nas categorias de base do Botafogo, Ribamar foi começou como volante. Foi com o treinador Mauricio Souza - que percebeu a força e o bom chute dele - que o jogador mudou de posição e foi deslocado para ser centroavante. E a decisão parece ter sido das melhores:

- Cara, essa mudança foi muito boa. Eu passei a fazer bastante gols. Se eu estou aqui hoje, devo muito a ele - completou Ribamar nesta segunda.