i

A união entre jogadores e Jair vai levando o Botafogo para o topo (Foto: Vitor Silva-SSPress-Botafogo)

LANCE!
21/10/2016
08:00
Rio de Janeiro (RJ)

Há três rodadas, contra o Internacional, Sassá entrou no segundo tempo e cobrou o pênalti que resultou na vitória do Botafogo. Na sequência, diante do Atlético-MG, o herói foi Dudu Cearense, que também saiu do banco de reservas. Ainda mais fresca na memória do torcedor está o gol de Rodrigo Pimpão contra o Santa Cruz. O segundo em dois jogos do atacante que há até bem pouco tempo não era uma das primeiras opções do elenco. Jair Ventura chama as mudanças de "banco de reforços".

O treinador alvinegro faz questão de frisar, a cada entrevista, que todos podem ser úteis, e por isso utiliza a expressão acima. Efeito psicológico, coincidência ou não, o fato é que vem funcionando. Para sair da zona de rebaixamento e chegar à quinta posição do Campeonato Brasileiro, uma das coisas que o Glorioso vem provando é a força do elenco. Antes tão criticados, os jogadores que menos aparecem também vão mostrando valor. Além dos já citados, Victor Luís deu conta do recado quando escalado contra o Cruzeiro e deu duas assistências.

- Quando dá certo, tudo fica às mil maravilhas. Mas quando perde, a responsabilidade é do treinador. Eu sabia disso, mas fomos para cima. Tirei um volante (Dudu Cearense) para colocar um atacante (Sassá). Depois tirei um lateral (Victor Luís) para colocar outro atacante (Gervasio Nuñez). Coloquei o Yaca na lateral. Acabou dando certo - explica Jair sobre as alterações da última rodada, diante do Santa Cruz.

Além de quem se destaca ofensivamente, as opções defensivas têm funcionado. Sidão é o caso mais emblemático, considerando que o titular - apesar de não ter jogado neste Brasileiro - é Jefferson. A lesão de Luis Ricardo abriu espaço para partidas seguras de Diego, Emerson (improvisado) e Alemão na lateral direita. Sem contar as alternâncias de duplas de zaga: Renan Fonseca e Emerson Silva volta e meia são chamados, nem sempre juntos, para jogarem ao lado de Carli. Nesta arrancada no returno, não houve falhas.

Faltam seis jogos para o fim do Campeonato Brasileiro. Para ir à Libertadores, o Botafogo conta com todos. A sintonia entre elenco e técnico precisa continuar.