Renan Gorne - Botafogo

O centroavante Renan Gorne foi promovido antes mesmo do fim da temporada (Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)

Felippe Rocha
01/01/2017
08:00
Rio de Janeiro (RJ)

De olho no futuro, o centroavante Renan Gorne teve contato recente com o passado do Botafogo. Durante lançamento da "Bíblia" do clube, no último dia 13, ele ouviu conselhos de nomes importantes do passado alvinegro e espera que, além de úteis, lhe deem sorte na sequência da carreira como jogador profissional.

- Foi o meu primeiro contato com eles. Ouço grandes histórias sobre o que eles fizeram no passado. Espero que possam dar um pouquinho de sorte à minha carreira. Tenho que ter o exemplo deles na minha carreira. Pude conversar com o Carlos Roberto, por exemplo - diz o atacante, que comprou um livro e pediu autógrafos dos ídolos.

A ansiedade é nítida. Gorne teve temporada artilheira no time de juniores e foi incorporado com moral ao time principal. Mas além do bom Campeonato Brasileiro de Sassá, havia Vinícius Tanque e Luís Henrique na concorrência. Para 2017, Canales tem a confiança da diretoria e da comissão técnica e ainda há Roger. Mas a promessa alvinegra não desanima quanto à próxima temporada.

- Ainda não me comunicaram nada, mas a minha vontade é de ficar. Se Deus quiser, as coisas vão dar certo pra mim. O meu desejo de ano novo é ficar no Botafogo - projeta Gorne.

BATE-BOLA RENAN GORNE
O que os ídolos te disseram?
Falaram que tenho que trabalhar forte, porque vida de jogador é curta. Trabalhar bastante, usar o tempo a meu favor. Trabalhar para que as coisas deem certo.

O ano de 2016 pelo time sub-20 foi bom, não foi?
Com certeza, vai ser inesquecível. Gols, títulos, artilharia do Carioca, terceiro artilheiro do Brasileiro, com seis gols; 31 gols no ano. Vou levar para o resto da minha vida.

É difícil controlar a ansiedade para saber se fica ou se será emprestado?
O que for preciso para dar alegria e títulos eu vou fazer. Não importa quando. Vou dar meu máximo por esse manto alvinegro sagrado.