América-MG x Botafogo

Apesar do cartão, Luiz Fernando teve boa atuação contra o América (Foto: Joao Guilherme/Raw Image)

Marcello Neves
21/05/2018
09:36
Belo Horizonte (MG)

Foram oito finalizações durante a partida contra o América-MG, no último domingo, pelo Campeonato Brasileiro. No total, uma em direção ao gol e sete sem rumo. Números baixos, mas preocupantes quando é lembrado que nenhuma chegou a assustar o goleiro João Ricardo. A derrota do Botafogo liga o sinal de alerta para o ataque, que parece ter perdido fôlego no mês de maio. 

Foram quatro jogos e três gols marcados - com apenas um vindo de atacantes. Contra o Cruzeiro, revés pelo placar mínimo. Diante do Audax Italiano, coube ao volante Matheus Fernandes balançar as redes. A vitória no clássico contra o Fluminense veio na bola parada, gols do volante Rodrigo Lindoso e do atacante Kieza. Neste domingo, contra o América, novamente em branco. 

O técnico Alberto Valentim promoveu mudanças na equipe, tirando Kieza e dando oportunidade para Gustavo Bochecha, que teve boa atuação contra o Fluminense. Dentro de campo, foi o meia mais lúcido da equipe e deu liberdade para Luiz Fernando se movimentar. O destaque negativo ficou por conta de Renatinho, mais uma vez apagado e fora de sintonia com a equipe.

O Botafogo se mostrou bem defensivamente, mas faltou poder de fogo para vencer a partida. Igor Rabello e Joel Carli fizeram uma partida exemplar, assim como o lateral Marcinho. Mesmo coma derrota, não comprometeram atrás. Já na frente, Luiz Fernando foi o único que se salvou, criando em chances em boas jogadas individuais. 

No segundo tempo, Valentim colocou Kieza e Aguirre nos lugares de Renatinho e Brenner - este que completou quatro jogos sem balançar as redes e teve mais uma atuação apagada. O Botafogo melhorou com as mudanças, chegou a equilibrar a posse de bola, mas seguiu sem assustar o América. O uruguaio mostrou que pode atuar pelo lado de campo, como observado pelo treinador.

- A gente começou errando coisas bobas. Depois melhoramos a posse. No segundo tempo, a gente precisava caprichar, achar a penúltima bola para finalizar. Depois tomamos um gol. Vamos analisar bem, trabalhar bem na semana cheia - disse o treinador.

O gol sofrido no minuto 32 veio como um alerta, seguindo o ditado popular de 'quem não faz, leva'. Neste caso, o Botafogo sofreu para tentar fazer, devido a dificuldade para criar. O Alvinegro terá uma semana para trabalhar, visando a partida contra o Vitória, no próximo domingo, e Valentim sabe que há pontos para serem corrigidos. É preciso mais para brigar na parte de cima.