(

Muro foi parcialmente limpo, mas pode-se ver resquícios da pichação (Foto: Vinícius Britto/LANCEPRESS)

Vinícius Britto
24/05/2016
10:38
Rio de Janeiro (RJ)

O presidente do Botafogo Carlos Eduardo Pereira resolveu se manifestar na madrugada de segunda-feira sobre o protesto e cobrança de reforços por parte de uma organizada do clube na saída do treino. Cerca de 20 membros da torcida Fúria Jovem conversaram com Luís Fernando Santos, vice executivo do Botafogo, e cobraram pela contratação de novos jogadores para o time.

A conversa se desenrolou de forma tranquila e os ânimos se mantiveram calmo. Mas o muro de General Severiano acabou pichado com os dizeres "Queremos jogadores". O que irritou o presidente alvinegro:

- Ontem, torcedores de organizadas foram ao clube e picharam os muros. Acham que este é o caminho? O clube precisa de apoio. Pichações, o patrimônio histórico do clube danificados ou ameaças aos dirigentes só servirão para tumultuar o ambiente. Precisamos de união - disse Carlos Eduardo Pereira por meio de sua conta oficial no Twitter.


O presidente também fez questão de comentar sobre a procura por reforços - o mais cobrado pela torcida é um camisa 9 de maior peso - e buscou não criar falsas expectativas no torcedor, lembrando do limite orçamentário.
- Como já disse diversas vezes anteriormente, estamos trabalhando muito para trazer os reforços que a equipe necessita. Isto é um consenso. Entretanto, não temos como marcar os prazos que tanto a torcida deseja para não criar expectativas que podem, ou não, se realizar - completou o mandatário.

Nesta terça-feira à noite, ocorre a reunião do conselho deliberativo do Botafogo na própria sede de General Severiano. E a expectativa é de que novos protestos possam vir a ocorrer. Até por isso, a segurança é reforçada na sede do clube.