Maracanã

Alvinegro busca voltar a vencer no Maracanã na final (Foto: Vítor Silva/SSPress/Botafogo)

Felippe Rocha e Vinícius Britto
06/05/2016
08:00
Rio de Janeiro (RJ)

Dia 1 de março de 2015. O Rio de Janeiro celebrava 450 anos de fundação. Faz tempo e foram apenas seis jogos desde então. Porém, foi naquela data que o Botafogo saiu vencedor de uma partida no Maracanã pela última vez. Um chute do meia Tomas, que fez a bola bater na trave, nas costas de Paulo Victor e e entrar no gol sacramentou o placar de 1 a 0 sobre o Flamengo é a última boa lembrança que o torcedor alvinegro tem, efetivamente, do estádio.

De lá para cá, o Glorioso acumula seis jogos sem vencer no estádio. Perdeu duas vezes para o Fluminense, sendo uma no primeiro jogo da semifinal daquele Campeonato Carioca. Depois, empatou uma e foi derrotado nas duas outras partidas do mesmo Estadual para o Vasco. E, no último domingo, foi batido mais uma vez pelo Cruz-Maltino, agora na final de 2016. Nada disso, porém, causa medo ou algum fantasma no time:

– Jogar no Maracanã é indescritível, sempre bom. A derrota faz parte. Se formos jogar pensando nela, já entra perdendo. Você entra pensando em vencer. Às vezes, por uma coisa ou outra, o resultado acaba não vindo. Mas estamos pensando em vencer e vamos lutar até o fim – garante o lateral Luis Ricardo.

O goleiro Jefferson foi vilão da primeira partida final, pela saída errada no gol de Jorge Henrique, mas já teve grandes momentos no estádio. Ele exata a importância de levar a taça para General Severiano.

– O Maracanã é onde todos querem estar. Conosco não é diferente. Esperamos comemorar um título que vai ser fundamental, num grande palco – projetou o capitão alvinegro.

Em 2015, o Botafogo também surpreendeu pela boa campanha, mas foi superado pelo Vasco nos dois jogos da final estadual e acabou com o vice-campeonato. Desta vez, Luis Ricardo acredita que a equipe está sendo bastante respeitada.

– É difícil falar desses dois momentos, até porque nosso time hoje é diferente, joga diferente e é outro momento. Acho que neste ano encontramos uma forma de jogar que surpreendeu a muitos. Chegamos fortes, do outro lado nos respeitam, assim como nós os respeitamos. Esperamos que tudo isso seja coroado no fim do campeonato – completou o lateral.