Rafael Moura - Internacional (Foto: Luciano Leon/RAW Image/Lancepress!)

Rafael Moura pode ser o centroavante experiente que falta no elenco (Foto: Luciano Leon/RAW Image/Lancepress!)

Felippe Rocha
02/02/2016
07:30
Rio de Janeiro (RJ)

A busca do Botafogo por um camisa 9 tinha nos vizinhos sul-americanos o principal mercado mapeado. Mas a dificuldade para a concretização dos negócios e o início do Campeonato Carioca fizeram os planos mudarem. Pelo menos por enquanto, Rafael Moura é a bola da vez. O experiente centroavante estava em conversas com o Atlético-MG e agora tem também uma proposta em mãos do Glorioso, que aguarda uma resposta.

Por enquanto, é ainda sem um nome mais conhecido no comando de ataque que o time de General Severiano encara a Portuguesa, nesta terça-feira, em São Januário. A partida começa às 20h30, pela segunda rodada do Campeonato Estadual, e o site do LANCE! transmite em tempo real. Pela TV, a transmissão será do Canal por assinatura Premiere.

Conhecido como He-Man, o centroavante está com 32 anos e não faz parte dos planos do Internacional-RS para esta temporada. O contrato de pouco mais de R$ 400 mil mensais vai até agosto, mas ele recebeu oferta do Galo para reduzir os vencimentos em cerca de 50%.

Apesar de já ter sido aprovado nos exames médicos, o acordo com a equipe mineira ainda não foi sacramentado. Francis Melo, empresário de Rafael Moura, acredita que isso vai ocorrer em breve.

- A situação está bem encaminhada com o Atlético-MG. A nossa política é de não negociar com um clube se já estivermos tratando ou outro, independentemente da grandeza da instituição - explica o representante, deixando claro que o Glorioso não tem a prioridade.

Enquanto isso, o Botafogo tem mais uma partida para mostrar força e tentar afastar a desconfiança de parte da torcida. Para o lateral-direito Diego, o pessimismo de alguns alvinegros neste início de ano se deve ao mau resultado contra a Desportiva Ferroviária. No amistoso que finalizou a pré-temporada no Espírito Santo, o time perdeu por 2 a 1.

- Teve essa desconfiança já antes do primeiro jogo por causa da partida contra a Desportiva. Mas foi bom para superarmos isso - explica.

He-Man pode chegar. Mesmo se não for ele, algum centroavante deve ser contratado. Mas é melhor vencer sem precisar de um herói.