Vinícius Britto
08/11/2016
08:00
Rio de Janeiro (RJ)

O melhor ataque é a defesa? No futebol, todas as estratégias são válidas. Mas é com esse mantra que o Botafogo de Jair Ventura mantém sua ascensão, se firma ainda mais dentro do G6 e enxerga a Libertadores-2017 cada vez mais próxima. Absoluta nesta reta final de temporada, a meta alvinegra não foi vazada em 11 dos 15 jogos que disputou neste segundo turno de Brasileirão.

Foram apenas cinco gols sofridos por Sidão e companhia nessa arrancada. Desde a entrada de Carli ao lado de Emerson na dupla de zaga - com Renan Fonseca sendo barrado - até o jogo coletivo alvinegro e a estratégia adotada por Jair Ventura evoluíram. Diversos são os motivos dos bons números defensivos.

Depois de sofrer com problemas físicos, o zagueiro argentino se recuperou e vem fazendo uma grande temporada. Até por isso, Carli assumiu a braçadeira de capitão. No clássico, ele foi novamente bem na marcação contra Guerrero.

Além do lado técnico, as mudanças com Jair também surtiram efeito. O Glorioso joga mais fechado, com os setores compactos, com os atacantes tendo responsabilidade de marcar. Até por isso, nos dois últimos jogos, o time passou em branco, sem balançar as redes rivais. Mas nada desesperador:

– Faltou o gol, mas fico feliz com mais um jogo nosso sem sofrer gols. Nossa defesa vem muito bem, fazendo jogos seguros – enaltece Jair Ventura.

COM A PALAVRA: Gonçalves
Elogios de ídolo e campeão em 1995


Para entender o momento vivido pelo sistema defensivo do Botafogo, o LANCE! decidiu ouvir o ex-zagueiro e ídolo alvinegro Gonçalves, que fez dupla de zaga com Gottardo no título brasileiro de 1995. Ele destacou o trabalho feito por todo o time e ainda aproveitou para lembrar da liderança exercida por Carli:

- De fato, um desempenho muito bom. Reflete o bom trabalho que tem sido feito no aspecto defensivo. E não só na linha defensiva. O que me impressiona é a organização defensiva como um todo, desde os atacantes. O time inicia com um 4-5-1, com os atacantes de beirada fazendo a recomposição. O Neilton sempre faz a cobertura do lateral, o Pimpão também... eles fazem muito bem o equilíbrio defensivo. Uma recomposição impressionante. Acho que a equipe está muito bem encaixada e entrosada. O ponto alto nesse segundo turno tem sido essa organização defensiva em todos os jogos - destaca Gonçalves, que ainda aproveita para enaltecer o bom momento do zagueiro argentino:

- E o Carli tem mantido uma regularidade. Além do bom posicionamento, com um bom jogo aéreo, ele segue eficiente nos desarme, nas rebatidas, além de orientar os companheiros e exercer uma liderança. Tem sido, digamos, o xerife da defesa, o maestro dessa organização defensiva. Não é muito técnico, mas tem um excelente aproveitamento. Muito preciso.