Neilton - Botafogo

Neilton é o jogador do elenco alvinegro que mais entrou em campo na temporada (Foto: Gabriel Baron/Botafogo FR)

Felippe Rocha e Vinícius Britto
04/11/2016
08:00
Rio de Janeiro (RJ)

A identificação de Neilton com o Botafogo foi mais que instantânea. Antes mesmo de jogar pelo Glorioso ele já elogiara a torcida. Ele, enfim, foi contatado, no ano passado. O bom desempenho resultou na extensão do empréstimo para esta temporada. E demorou, muito por causa de problemas físicos, mas ele engrenou, se tornou peça importante da equipe, e quer se consagrar no clube. Para tanto, além de levar o time à Taça Libertadores, que tal ajudar a minimizar as chances de o Flamengo ser campeão brasileiro?

- Escutamos bastante na rua. Onde saio falam para nós acabarmos com os caras, para tirarmos a chance de titulo. E nós vamos brigar por isso. Porque se nós ganharmos, aumentaremos nossas possibilidades de entrarmos na Libertadores. Com certeza vamos entrar centrados nisso: tirar (diminuir) a possibilidade deles de título e, nós mesmos, encostarmos, mais na Libertadores - revela o camisa 7 alvinegro, em entrevista exclusiva ao LANCE!.

Neilton chegou ao 50º jogo na temporada pelo time de General Severiano. É quem mais jogou. Evolução e resistência física que, aliados aos 12 gols mais as assistências, levam o atacante a buscar a buscar Alex Alves na artilharia do Alvinegro na Arena Botafogo. O atual camisa 7 tem seis gols lá, enquanto o atacante que jogou no Glorioso entre 2004 e 2005 soma dez. Para alcançar a meta ainda este ano, faltam dois jogos a serem disputados na casa alvinegra.

- Dá para chegar, pô. Depende de mim. Só depende de mim. Não sabia quantos gols faltavam, fiquei sabendo que eu era artilheiro da Arena no momento em que fiz os gols contra o Palmeiras. Ali soube também que o Alex era o artilheiro do clube na Ilha. Mas não penso muito nisso. Acho que o gol sai naturalmente. Estou aqui para ajudar o Botafogo a sair com a vitória, independentemente de quem faça o gol. O gol sai naturalmente, se fizermos um bom trabalho - fala o atacante, que ainda tem papo descontraído com o LANCE!.

BATE-BOLA COM NEILTON, EXCLUSIVO AO LANCE!:


1. Você tinha expectativa de que esse ano seria o da afirmação?

Eu tinha sim. Como falei, eu vim concentrado, planejando isso, ter um bom número de jogos, fazer uma boa temporada. No início do ano, tive uma lesão na pré-temporada, em que fiquei uns quatro jogos fora. Tirando esses, fui opção em todas as outras partidas. Foi um ano muito especial para mim, em que eu amadureci muito. Nos últimos anos, cresci muito profissionalmente, além de amadurecer. Soube das minhas limitações e procuro corrigi-las. Subi no Santos muito novo, e não sei se preparado ou não. Evolui, trabalhei com grandes atletas e acho que agora estou mais preparado para poder ir bem.

2. Você já marcou contra Flamengo e Fluminense neste Brasileirão. Poder ser o homem-clássico se voltar a ser decisivo no jogo deste sábado, no Maracanã?

Sim... estamos tendo bons resultados no clássico. Saindo com a vitória do Maracanã, seria especial para mim, ainda mais com gol. É trabalhar para fazer um bom jogo. Eu procuro fazer meu trabalho e dar meu melhor na partida. O gol é consequência, não posso ficar apavorado e desesperado para fazer o gol, porque aí que ele não sai mesmo. Se vier no clássico, será ainda mais especial. O Flamengo é um dos nossos maiores rivais. Estou aqui para ajudar o Botafogo a vencer o Flamengo. Espero que a gente consiga nesse clássico de agora.

3. E sobre a sua permanência. Você já deixou claro que o desejo é ficar no ano que vem... como andam as conversas com o Cruzeiro, dono de seus direitos?

Deixei para meu empresário (Hamilton Bernard) resolver lá. Ainda não falei com ele sobre isso. Acho que nesta próxima semana a gente conversa de novo e espero que esteja ocorrendo tudo bem sobre eu poder continuar aqui no Rio.

4. O Botafogo tem um novo encontro com o Arão. Como era a relação com ele ano passado? No último clássico, ele foi muito vaiado e acabou não indo bem...
O Arão era um amigo aqui. Mas agora não temos muito contato, só quando nos encontramos. Ele preferiu seguir a história dele, opção sua. Espero que siga assim, que contra o Bota ele não consiga jogar bem. Vamos fazer de tudo para anular ele e sairmos com a vitória. A saída foi opção dele, não sei o que houve na renovação dele, ou por fora. Mas que siga assim agora no jogo do Maracanã.

5. Qual jogador você mais tem como referência no futebol e porquê?

O Neymar. Até falo para ele quando converso que eu sou fã demais dele, admiro muito o trabalho que ele faz. No momento, dos que estão em atividade, me inspiro nele. Sem comparação comigo (risos), mas é um excelente jogador e as características dele me agradam e servem de espelho para poder crescer.